quinta-feira, 9 de junho de 2016

Dilma culpa Sarney e membros do PMDB pelo "golpe" do impeachment


Do Congresso em foco

Brasília- Em resposta encaminhada por sua defesa ao Supremo Tribunal Federal (STF), a presidente Dilma Rousseff (PT) diz que sofreu um “golpe” de Estado com aprovação de seu afastamento da Presidência pelo Congresso porque não cometeu qualquer crime de responsabilidade. 

Para corroborar sua tese, a petista cita diálogos entre peemedebistas como o ex-presidente José Sarney e o senador Romero Jucá (RR) e o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, declarações dadas em 2015 sobre o assunto pelo atual advogado-geral da União, Fábio Medina Osório, e a restrição do uso de aeronaves oficiais da Força Aérea Brasileira (FAB) determinada pelo governo interino de Michel Temer, chamado por ela de “ilegítimo”.

O texto, assinado pelo ex-advogado-geral da União José Eduardo Cardozo, é uma resposta à interpelação judicial movida pela Procuradoria Parlamentar da Câmara, a pedido de líderes partidários que fazem oposição à petista. “A se consumar o impeachment de uma presidenta eleita por 54 milhões de brasileiros, sem uma verdadeira justa causa para tanto, estaremos diante de uma verdadeira ruptura institucional e democrática. E o nome que se dá a uma ruptura institucional e democrática como esta, na ciência política, é ‘golpe de Estado’”, escreve Cardozo.

Segundo a defesa, o impeachment de Dilma tem como objetivo “afastar uma Presidente da República, pelo simples fato de ter cumprido a lei, ou seja, ter permitido que as investigações contra a corrupção no país avançassem de forma autônoma e republicana”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário