Banner da Prefeitura de São Luís

Banner da Prefeitura de São Luís

segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

Rocha deixa Dino irritadiço


O senador maranhense Roberto Rocha, presidente estadual do PSB, fez duras críticas à divulgação da pesquisa Exata, na semana passada, contratada pelo Palácio dos Leões, que aponta o governador Flávio Dino (PCdoB) com índice de aprovação de 61% em todo o estado. Para o parlamentar, o levantamento surgiu de uma hora para outra.

"Avaliação de gestão é: bom e ótimo é igual a aprovação; ruim e péssimo é igual a desaprovação; regular tem que ser desprezado, não pode somar nem pra cima, nem pra baixo", declarou.

Nas redes sociais, o senador fez uma postagem em que afirma que "somar o regular com bom e ótimo é o mesmo que somar com ruim e péssimo", frisou. Aliados do governador Flávio Dino , nas redes sociais, caíram "matando" em cima de Roberto Rocha, que hoje é um dos desafetos do comunista.

Um comentário:

  1. Em 2016 houve fato fabuloso sim, apesar de Vanessa Grazziotin falar que não, dessa forma assim:

    "O ano de 2016 é, sem dúvida, daqueles que dificilmente será esquecido. Ficará marcado na história pelos acontecimentos negativos ocorridos no Brasil e no mundo. Esse é o sentimento das pessoas", diz Grazziotin.

    Mas, por outro lado, nem que seja apenas 1 fato positivo houve sim! É claro! Mesmo que seja, somente e só, um ato notável, de êxito. Extraordinário. Onde a sociedade se mostrou. Divino. Que ficará na história para sempre, para o início de um horizonte progressista do Brasil, na vida cultural, na artística, na esfera política, e na econômica. 
    Que jamais será esquecido tal nascer dos anos a partir de  2016, apontando para frente. Ano em orientação à alta-cultura. Acontecimento esse verdadeiramente um marco histórico prodigioso. Incrementando sim o Brasil em direção a modernidade, a reformas e mudanças positivas e progressistas. Enfim: admirável. 

    Tal fato luminoso e sui-generis foi o:

    -- «Tchau querida!»

    Eis aí um momento progressista, no ano de 2016.

    ResponderExcluir