Comercial da Prefeitura de São Luís

Comercial da Prefeitura de São Luís

quinta-feira, 18 de maio de 2017

Vale a pena ver de novo?!


Será que nesse momento de intensa turbulência político-institucional, o pré-candidato à reeleição, governador Flávio Dino (PCdoB), ainda pensa em ter o apoio do PSDB do presidente nacional, senador Aécio Neves, no Maranhão, para as eleições de 2018? Vale ressaltar que no pleito de 2014, Dino contou com o apoio do senador tucano, que inclusive veio ao Maranhão prestar solidariedade na campanha.

Na delação de Joesley e Wesley Batista, donos do frigorífico da JBS, o senador Aécio Neves (MG), presidente do PSDB, é gravado pedindo ao empresário R$ 2 milhões. No áudio, com duração de cerca de 30 minutos, o presidente nacional do PSDB justifica o pedido dizendo que precisava da quantia para pagar sua defesa na Lava Jato.

A entrega do dinheiro foi feita a Frederico Pacheco de Medeiros, primo de Aécio, que foi diretor da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), nomeado por Aécio, e um dos coordenadores de sua campanha a presidente em 2014.

Quem levou o dinheiro a Fred foi o diretor da JBS, Ricardo Saud. Foram quatro entregas, de R$ 500 mil cada uma. Um dos pagamentos foi filmado pela Polícia Federal (PF). A PF rastreou o caminho do dinheiro e descobriu que foi depositado numa empresa do senador Zezé Perrella (PSDB-MG).

Outra filmagem mostra que Fred repassou, ainda em São Paulo, as malas para Mendherson Souza Lima, secretário parlamentar de Perella. Segundo a reportagem, no material que chegou às mãos do ministro Edson Fachin no STF a PGR diz ter elementos para afirmar que o dinheiro recebido pelos assessores de Aécio Neves não era para os advogados.

Defsa- Aécio, também em nota, se declarou "absolutamente tranquilo quanto à correção de todos os seus atos. No que se refere à relação com o senhor Joesley Batista, ela era estritamente pessoal, sem qualquer envolvimento com o setor público. O senador aguarda ter acesso ao conjunto das informações para prestar todos os esclarecimentos necessários".

Com informações do G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário