Comercial da Prefeitura de SL

Comercial da Prefeitura de SL

terça-feira, 9 de maio de 2017

Lobão e João em jantar à moda Temer com sobremesa indigesta para Renan

Os senadores Edison Lobão e João Alberto (ambos do PMDB) devem participar do jantar da legenda em Brasília
Mesmo ainda contando com os apoios dos senadores maranhenses Edison Lobão e João Alberto (ambos do PMDB), o ex-presidente do Congresso Nacional, senador alagoano Renan Calheiros deve ser enquadrado pela alta cúpula do partido e proibido de falar em nome da bancada do PMDB na Casa e contra as reformas trabalhista e Previdenciária, propostas pelo governo do presidente Michel Temer.

A pressão interna nas hostes do PMDB é enorme, depois que Renan resolveu bater de frente com o presidente Temer e se insurgir contra as reformas que são a "menina dos olhos" do governo federal nesse momento turbulento que atravessa o país.

Tanto que já está agendado para a noite desta terça-feira, 9, um jantar na casa da senadora Marta Suplicy (SP), em Brasília, onde os senadores do PMDB vão desautorizar Renan a falar em nome da bancada ao se referir às reformas trabalhista e da Previdência, alvo constante das críticas do peemedebista.

O senador Renan Calheiros observado por Michel Temer
Com 22 senadores, o PMDB vive uma guerra interna. Se não aceitar a enquadrada, Renan poderá ser destituído da liderança pelos colegas. Eles exigem que ele só encaminhe votações em plenário e nas comissões quando se seguir as orientações da legenda, nunca de acordo com suas posições pessoais. 

Essa foi a solução encontrada pelo presidente Michel Temer, que também é presidente de honra do PMDB, para tentar neutralizar Renan, que se declara contra a reformas trabalhista, já aprovada na Câmara e em discussão no Senado, e a Previdenciária, em votação pelos deputados na comissão especial.

Além de Lobão e João Alberto, Renan carrega ainda consigo o apoio certo de outros colegas como Roberto Requião (PR), Jader Barbalho (PA), Hélio José (DF) e Eduardo Braga (AM) para atuar como líder independente do Planalto em questões que o governo considera fundamentais para o ajuste fiscal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário