segunda-feira, 23 de novembro de 2020

Governo Bolsonaro pode jogar na lata do lixo quase 7 milhões de testes para diagnóstico da Covid-19


Em tempos da segunda onda mundial da pandemia do novo coronavírus (Covid-19) não dá para entender por que o governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) poderá desperdiçar, na lata do lixo, um total de 6,8 milhões de testes para diagnóstico da doença, adquiridos com recursos públicos pelo Ministério da Saúde.

Isso porque os testes comprados perderão a validade entre dezembro deste e no mais tardar em janeiro do ano que vem. Segundo reportagem do jornal O Estado de S.Paulo, tratam-se de exames do tipo RT-PCR, que estão estocados num armazém do governo federal na cidade de Guarulhos (SP) e, até hoje, ainda não foram disponibilizados para utilização na rede pública do país.

Para fins de comparação, o Sistema Único de Saúde (SUS) aplicou 5 milhões de testes desse tipo. Com isso, o país pode acabar descartando mais exames do que já realizou até o momento.

Conforme a denúncia do matutino paulista, a Saúde já investiu R$ 764,5 milhões em testes tipo RT-PCR e as unidades que podem perder a validade em breve custaram aos cofres públicos R$ 290 milhões, sendo que o lote encalhado tem validade de apenas 8 meses.

Dino comemora ascensão de Duarte contra Braide e já vislumbra virada nas urnas nessa reta final de campanha em São Luís


O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), usou as redes sociais para destacar o levantamento feito pelo instituto Data Ilha, encomendado pela TV Band Maranhão, que mostra uma ascensão vertiginosa da candidatura Duarte Jr (Republicanos), na disputa para a Prefeitura de São Luís contra o adversário Eduardo Braide (Podemos).

Dino comemorou a pesquisa reforçando que a diferença que já foi maior, agora está na casa do eventual empate técnico. E esta semana será decisiva para o segundo turno que acontecerá no próximo domingo, 29, na capital maranhense.

Eleição em São Luís. Pesquisa da TV Band mostra que diferença que já foi de 16% agora está em 6%. Ou seja, caiu 10 pontos em 1 semana >>


domingo, 22 de novembro de 2020

Candidatura Duarte Jr segue crescendo em São Luís e arrastando multidão



Semana decisiva para o segundo turno das eleições em São Luís e a candidatura Duarte Jr (Republicanos, Avante, Patriota e PTC) vem crescendo por onde passa, arrastando uma multidão de fãs nos quatro cantos da cidade.

Para agradecer o carinho do eleitorado na capital maranhense, o candidato usou as redes sociais para expressar sentimento de gratidão.

Agora é a hora do povo chegar ao poder! Obrigado, São Luís!
Pode botar fé, vamos colocar para resolver.

sexta-feira, 20 de novembro de 2020

Força, resistência e sofrimento marcam o Dia da Consciência Negra no Brasil


O
Dia Nacional da Consciência Negra é uma data de celebração e de conscientização sobre a força, a resistência e o sofrimento que a população negra viveu no Brasil desde a colonização. Durante o período colonial, aproximadamente 4,6 milhões de africanos foram trazidos para o Brasil para servirem na condição de escravos, trabalhando primeiramente em lavouras de cana-de-açúcar e no serviço doméstico, e posteriormente na mineração e em outras lavouras.

A condição de vida dos africanos e dos negros escravizados nascidos no Brasil era extremamente precária. Além de serem submetidos ao trabalho forçado, os escravos eram submetidos a um tratamento degradante e humilhante, não tendo direito a tratamento médico, à educação e a qualquer tipo de assistência social.

Como surgiu o Dia da Consciência Negra?

Além do tratamento degradante conferido à população negra escravizada no Brasil entre 1536 e 1888 (este último ano data a libertação dos escravos via Lei Áurea), as heranças da escravidão permaneceram. Quando os escravos foram libertos, em 13 de maio de 1888, por meio da promulgação da Lei Áurea, após intensa luta de ativistas abolicionistas do período imperial do Brasil, como o jornalista e advogado negro Luís Gama, a população negra permaneceu sem qualquer tipo de assistência.

Muitos escravos recém libertos permaneceram nas fazendas onde eram cativos por não terem para onde ir. A grande maioria dessa população era analfabeta e não sabia outro ofício, além do trabalho intenso e pesado das lavouras. No Rio de Janeiro, muitos escravos foram procurar as regiões difíceis de erguer construções na cidade (os morros) para construírem suas moradias, configurando as primeiras favelas. A situação deixada para a população negra no Brasil foi extremamente precária.

Marginalizada, sem assistência e com uma vida precária, a população negra no Brasil continuou a enfrentar muita dificuldade. Os negros eram discriminados socialmente, não tinham acesso aos mesmos direitos que os brancos e foram perseguidos. Diante dessa realidade, muitas comunidades negras (algumas inclusive remanescentes de quilombos), além de organizações sociais formadas por pessoas negras nas cidades, passaram a lutar pela igualdade racial e pela inserção da população negra na comunidade sem restrição de direitos.

Na década de 1970, ativistas ligados a um grupo de quilombolas situado no Rio Grande do Sul passaram a reivindicar a celebração do Dia da Consciência Negra no Brasil na data de 20 de novembro. Em 1978, surgiu o Movimento Negro Unificado no País, que passou a promover uma série de ações para pensar a consciência negra e lutar contra o racismo no Brasil. Graças ao movimento, o Dia da Consciência Negra tornou-se uma data lembrada todo ano como representativa da luta da população negra.


Por que escolheram o dia 20 de novembro?

A escolha do dia 20 de novembro não foi aleatória, foi feita por ser a data de morte de Zumbi dos Palmares, no dia 20 de novembro de 1695. Zumbi foi o maior líder do Quilombo dos Palmares.

Os quilombos eram comunidades formadas por negros escravizados que fugiam da tirania de seus senhores e escondiam-se em lugares de difícil acesso no meio das matas. O Quilombo dos Palmares foi o maior e mais duradouro dos quilombos registrados pelos estudos historiográficos. Estima-se que a sua formação tenha durado cerca de 100 anos e abrigado entre 20 mil e 30 mil habitantes. A localização territorial do Quilombo dos Palmares era na região da Serra da Barriga, atual estado de Alagoas. 

Zumbi foi um grande líder e representante da resistência negra em sua época. Fontes antigas, que hoje são questionadas pela historiografia, apontam que ele nasceu em Palmares, porém foi capturado e tomado como escravo aos sete anos de idade. Nessa época, Zumbi teria ficado sob os cuidados de um padre jesuíta, que o batizou na tradição católica e o alfabetizou em português e latim. Aos quinze anos de idade, Zumbi teria fugido para o Quilombo dos Palmares e, depois, destacado-se como uma liderança por lá.

Não é possível atestar a veracidade desses dados porque, além de não terem confirmações históricas, é possível que eles tenham surgido em um momento específico, no século XIX, em que a imagem de Zumbi foi construída como um símbolo heróico para a justa defesa da abolição da escravatura. Havia, portanto, um uso político da imagem de Zumbi e uma construção heróica com uma finalidade específica, mas que pode não condizer com a realidade dos fatos sobre a vida do líder de Palmares.

Foram muitas as batalhas que os quilombolas de Palmares lutaram contra o exército português no Brasil e contra expedições promovidas por capitães e por fazendeiros colonos. Zumbi despontou-se como uma grande liderança justamente por ser um grande estrategista militar e representante de forte resistência contra os colonos escravocratas.

Embora pouco conhecida, outra figura importante dentro do Quilombo de Palmares foi Dandara de Palmares. Apesar de poucas fontes historiográficas sobre a figura de Dandara, sabe-se que ela foi uma grande guerreira resistente. Fontes historiográficas apontam que ela foi esposa de Zumbi e teve com o líder quilombola três filhos. A morte de Dandara ocorreu em 1694, quando foi capturada. Para fugir da escravidão, a guerreira de Palmares cometeu suicídio jogando-se de um desfiladeiro.

Em 1694, tropas organizadas pela expedição do bandeirante Domingos Jorge Velho conseguiram êxito, capturando vários quilombolas. Na expedição, os bandeirantes utilizaram inclusive artilharia pesada, como canhões de guerra. Dessa maneira, a bandeira capturou o quilombola Antonio Soares e prometeu-o a liberdade em troca da revelação do esconderijo do líder Zumbi.

Antonio Soares cedeu e traiu o líder de Palmares, revelando o seu esconderijo. Em novembro de 1695, as tropas de Domingos Jorge Velho capturaram Zumbi e mataram-no, degolando a sua cabeça e expondo-a em praça pública. Nesse evento, os bandeirantes dominaram os quilombolas, desfazendo o quilombo. Os habitantes que não foram mortos ou capturados tiveram que fugir do local.

Assim, o dia 20 de novembro foi escolhido para representar o Dia Nacional da Consciência Negra por conta da importância da figura de Zumbi dos Palmares na luta e resistência contra a escravidão de povos de origem africana.


Atividades para comemorar o dia

Se por um lado temos motivos para comemorar o Dia Nacional da Consciência Negra, por outro, temos motivos para discutir o racismo e promover a ideia de integração igual da população negra na sociedade, lutando contra a exclusão e a desigualdade social. Nesse sentido, as ações promovidas no dia 20 de novembro não devem ser de comemoração, mas de conscientização e reflexão.

Tomando como exemplo os dados sobre renda e desigualdade, vemos que o Brasil ainda permanece sob a influência da herança da escravidão quanto ao tema inclusão social e igualdade social. A maioria da população brasileira, quase 54% dos habitantes, autodeclara-se negra (pretos ou pardos), segundo o IBGE. No entanto, dados levantados pela pesquisa Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), promovida pelo IBGE em 2017, apontam que a renda média de pretos e pardos corresponde a R$ 1570 e R$ 1606, respectivamente, enquanto a renda média de brancos é de R$ 2814. Dados da PNAD de 2015 também apontaram que a porcentagem de negros e pardos entre os 1% mais ricos da população era de 17,8%, enquanto o grupo dos 10% mais pobres possuía um total de 75% de negros e pardos|1|.

Devido à evidente desigualdade social e exclusão da população negra, somadas ao racismo, a celebração do Dia Nacional da Consciência Negra deve ocorrer por meio de atividades de reconhecimento da cultura negra como parte integrante da cultura brasileira e por meio de atividades de discussão e conscientização sobre o problema do racismo e da exclusão dos negros na sociedade brasileira.

Leia também: Democracia racial: termo que diz respeito a uma suposta igualdade entre raças

Dia da Nacional da Consciência Negra é feriado

A Lei 12.519 de 2011 instituiu oficialmente o dia 20 de novembro como Dia da Consciência Negra. A lei deixa aberta a possibilidade de estabelecimento de feriado em tal data, ficando a critério dos municípios e dos estados acatarem-na ou não como feriado.

  • Estados que comemoram o Dia Nacional da Consciência Negra como feriado

Apenas cinco estados da federação promulgaram leis estaduais que tornam o dia 20 de novembro feriado. São eles: Alagoas, Amazonas, Amapá, Mato Grosso e Rio de Janeiro. 

Com informações do portal Mundo Educação

Crédito de imagem

[1] Pedro Celso Cruz de Souza/Commons

quinta-feira, 19 de novembro de 2020

Roberto Rocha, Weverton e Roseana Sarney se unem em prol de um candidato adversário do grupo de Flávio Dino


O segundo turno das eleições municipais em São Luís trouxe à tona a tríplice aliança daqueles que há bem pouco tempo se mostravam antagônicos politicamente no Maranhão. Os senadores Roberto Rocha (PSDB), Weverton Rocha (PDT) e a ex-governadora Roseana Sarney (MDB) resolveram se juntar contra as hostes comunistas do governador Flávio Dino.

O pano de fundo parece ser o candidato do Podemos, Eduardo Braide, na disputa para a Prefeitura da capital, que hoje conta com o apoio dos três tenores da política maranhense, que antes nem bem se falavam.



No meio desse misto pluri-partidário, de cores e matizes diversas, cada um tem projetos pessoais para as eleições gerais de 2022, como é o caso dos senadores Roberto Rocha e Weverton Rocha, que almejam ser candidatos ao governo do estado e a ex-governadora Roseana Sarney, que está de olho na vaga a ser aberta no Senado da República pelo tucano emplumado.

Tudo em nome da velha política!

Wellington do Curso esquece trairagem de Roberto Rocha e cai nos braços de Braide desprovido de orgulho e vaidade


Bastou apenas passar uma borracha no que aconteceu no primeiro turno da campanha eleitoral para que o deputado estadual Wellington do Curso voltasse aos braços do senador Roberto Rocha (PSDB), que abortou de maneira melancólica a candidatura do nobre parlamentar a prefeito de São Luís.

Depois de ter chorado "lágrimas de crocodilo", por ser impedido pelo senador tucano de ser candidato majoritário na capital pelo PSDB, Wellington procurou os ombros do candidato derrotado Neto Evangelista (DEM) e agora, passada algumas horas do resultado do primeiro turno, eis que Wellington esquece tudo e cai de novo nos braços de Roberto Rocha, apoiador bolsonarista da candidatura Eduardo Braide (Podemos) para a Prefeitura da capital maranhense.

Demonstrando "humildade", desprovido de orgulho e vaidade, esquecendo o passado não muito distante, Wellington está de volta aos holofotes da mídia para anunciar apoio a Braide e fazer as pazes com o emplumado senador Roberto Rocha.

Os fins justificam os meios na política!

Edivaldo continua mudo sobre posicionamento no segundo turno, enquanto PDT já decidiu apoiar Braide e peitar Dino


Apesar da cúpula municipal do PDT em São Luís já ter manifestado, publicamente, apoio ao candidato Eduardo Braide (Podemos) nesse segundo turno da eleição majoritária na capital maranhense, o prefeito de São Luís, Edivaldo Holanda Jr, filiado ao brizolismo do senador Weverton Rocha, continua cego, surdo e mudo quando o assunto é apoio nessa reta final de campanha.

Analistas políticos ponderam que nesse momento o prefeito Edivaldo tem procurado se distanciar do imbróglio e cisão gerados na base política do governador Flávio Dino (PCdoB), que apoia o adversário Duarte Jr (Republicanos).

Pelo visto, o prefeito Edivaldo não deve declarar voto nesse segundo turno para não desagradar nem às hostes do PDT e nem bater de frente com o governador comunista, que já considera "traíras" aqueles que não seguiram sua orientação em apoio a Duarte Jr, que é um pupilo da base aliada ao Palácio dos Leões. 

Enquanto isso, Edivaldo vai inaugurando uma política de prefeito "boa praça" em São Luís.

Governo Bolsonaro pode jogar na lata do lixo quase 7 milhões de testes para diagnóstico da Covid-19

Em tempos da segunda onda mundial da pandemia do novo coronavírus (Covid-19) não dá para entender por que o governo do presidente Jair Bolso...