Banner da Prefeitura de São Luís

Banner da Prefeitura de São Luís

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Roberto Rocha também critica balneabilidade de Dino


O senador Roberto Rocha (PSB/foto) criticou a postura do governo Flávio Dino (PCdoB) em tentar desqualificar o levantamento da Folha de São Paulo, divulgado no último fim de semana, sobre a balneabilidade das praias de todo país, em especial da orla marítima de São Luís e São José de Ribamar, consideradas "péssimas" para banho.

Para o parlamentar maranhense, a matéria não traz especificamente o período avaliado, mas considera a extensão de um ano civil, no período de janeiro a dezembro de 2015. "O levantamento traz a média obtida para todo ano de 2015. O que acontece no Maranhão e, particularmente em São Luís, é que a gestão (Flávio Dino) parece ser uma extensão da campanha eleitoral (2014). Ao invés de desarmar o palanque, transfere-se este para dentro da Secretaria de Estado de Comunicação e a primeira vítima é a verdade", declarou Rocha.

Para o senador do PSB, até pode ter havido alguma melhora em 2016, fruto de intervenções pontuais. "Mas não é crível que em um ano a situação "péssima", aferida cientificamente pelo próprio governo, tenha se tornado "ótima", por obra e graça do desejo dos governantes. Isso briga com o bom-senso e com a percepção social. Nossa capital é atravessada por línguas de esgoto a céu aberto, temos um dos piores índices de saneamento do país, a especulação imobiliária não para de crescer, há pontos visíveis de despejo nas principais praias", enfatizou.

Roberto Rocha disse ainda que o governo tem feito é divulgar laudos de períodos curtos, de cinco dias, por exemplo generalizando os resultados conforme a conveniência. "Pegue-se, por exemplo o site da Secretaria de Estado de Meio Ambiente, pesquisando a palavra praias, no índice de buscas, chega-se às últimas doze noticias sobre o tema e todas elas são positivas. Ou seja, a secretaria abriu mão de ser o órgão de medição da questão ambiental para ser uma instância publicista, sem credibilidade", ressaltou.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário