quarta-feira, 17 de outubro de 2018

Veja! Maura Jorge vai tentando puxar o tapete de Chico Carvalho no PSL


A candidata derrotada ao governo do Maranhão, Maura Jorge (PSL), aos poucos vai tentando se tornar o principal elo de interlocução entre o presidenciável Jair Bolsonaro e o eleitorado maranhense. Mesmo a contra-gosto da direção regional do PSL no estado, liderada pelo vereador de São Luís, Chico Carvalho.

O clima de animosidade entre as duas figuras públicas só tende a aumentar com a eventual possibilidade de vitória do candidato Bolsonaro ao Palácio do Planalto, neste segundo turno, contra o petista Fernando Haddad.

O pano de fundo nessa celeuma seriam os virtuais cargos federais que se abririam no Maranhão que devem ser ocupados por aliados do PSL. A queda de braço entre Maura Jorge e Chico Carvalho vai ganhando impactos públicos que já beiram ataques na mídia.

Na última terça-feira, 16, enquanto Chico Carvalho reclamava no plenário da Câmara Municipal de São Luís de ataques grosseiros de pessoas supostamente pertencentes ao grupo da ex-candidata, a própria Maura Jorge fazia festa nas redes sociais, mostrando sua chegada ao aeroporto de São Luís, após manter reservadas conversas com o presidenciável Bolsonaro, no Rio de Janeiro.

Chico Carvalho disse já ter sido até acusado pelo grupo de Maura Jorge de agiotagem e de ter vendido o PSL no Maranhão. Ele afirmou que não irá tolerar tamanha situação e que vai até as barras da Justiça para punir os verdadeiros culpados pela difamação.

É, pelo visto, não convidem as duas figuras públicas para a mesma mesa.

terça-feira, 16 de outubro de 2018

Chico Carvalho e Maura Jorge já brigam por domínio do PSL no Maranhão


O vice-presidente do PSL no Maranhão e vereador de São Luís, Chico Carvalho, disse nesta terça-feira, 16, na Câmara Municipal, que vem sendo alvo de injúria e difamações do grupo ligado à candidata derrotada ao governo do estado, Maura Jorge, que o acusam de vender o partido e até de praticar atos de agiotagem.

Carvalho afirmou que já está tomando as providências necessárias na Justiça, por não compactuar com tais atitudes e que até mesmo um filho da então candidata Maura Jorge deve responder por ofensas diversas à sua pessoa.

Chico Carvalho declarou que nunca foi homem de vender partido e praticar atos de agiotagem. "Quem me conhece sabe disso", frisou.

Ele destacou que por conta do PSL ter crescido bastante no cenário nacional, com a possibilidade do deputado Jair Bolsonaro vencer a eleição presidencial no segundo turno, no próximo dia 28, a ciumeira e o olho gordo agora é grande. "Quando o PSL era pequeno, eu banquei o partido", declarou.

Há quem diga que a briga já visa cargos federais no Maranhão com a possibilidade de vitória do candidato Bolsonaro na corrida sucessória ao Palácio do Planalto.

Bolsonaro é o mais novo pupilo do clã Sarney


Como diz a velha canção: "Tão natural quanto a luz do dia...". Assim pode ser definido o posicionamento manifestado pela candidata derrotada ao governo do Maranhão, Roseana Sarney (MDB), ao declarar, na segunda-feira, 15, apoio incondicional à candidatura do deputado federal Jair Bolsonaro (PSL), na corrida sucessória à Presidência da República, neste segundo turno das eleições.

Apesar de no primeiro turno do pleito a ex-governadora ter usado e abusado da imagem do ex-presidente Lula, mostrando em seus programas eleitorais ter identidade política e social com a cúpula petista, agora Roseana e seu grupo resolveram abandonar o barco e se debandar, de mala e cuia, para as hostes do presidenciável Bolsonaro, que aparece a frente nas pesquisas de intenções de voto.

Além da ex-governadora, também manifestaram apoio ao intrépido Bolsonaro, o deputado estadual Adriano Sarney (PV) e o ex-secretário Ricardo Murad (PRP). 

Somente o candidato derrotado ao Senado, ex-ministro e deputado federal Sarney Filho (PV) preferiu não pular do barco, optando pelo silêncio neste segundo momento.

Faca na Caveira!

segunda-feira, 15 de outubro de 2018

Roseana some e esquece de declarar apoio ao PT neste segundo turno


A candidata derrotada ao governo do Maranhão, Roseana Sarney (MDB), parece que realmente sumiu do cenário político no estado, depois de perder nas urnas para o atual governador Flávio Dino (PCdoB). Tanto que até agora não deu um pitaco sobre quem o seu grupo político deve apoiar para Presidente da República, neste segundo turno que acontecerá no próximo dia 28.

Durante a campanha eleitoral no rádio e na TV, Roseana vinha insistentemente tentando mostrar sua estreita ligação política com o ex-presidente Lula (PT), aparecendo em imagens antigas quando ainda seu grupo era aliado de primeira hora do petista, que hoje se encontra fora da cena política por força da Justiça Federal.

Passada as eleições, a ex-governadora parece que resolveu abortar a missão e sequer declarar voto, mesmo seu partido, o MDB, ter deixado livre a opção de cada filiado para votar ou em Haddad (PT) ou em Bolsonaro (PSL) na disputa presidencial.

Pelo que parece, ninguém do grupo Sarney pretende se manifestar, preferindo o clã tirar um período sabático pós-pleito em que as urnas não foram tão generosas como no passado.

quinta-feira, 11 de outubro de 2018

Apoios incondicional e crítico ao petista Haddad no Maranhão


Depois do governador reeleito Flávio Dino (PCdoB) já ter declarado apoio incondicional ao candidato Fernando Haddad (PT), agora o senador eleito Weverton Rocha terá que manter uma espécie de "apoio crítico" ao postulante petista à Presidência da República, acompanhando decisão partidária.

Isso porque o PDT, partido do candidato derrotado Ciro Gomes, já ter anunciado na quarta-feira,10, “apoio crítico” à candidatura de Fernando Haddad no segundo turno da corrida eleitoral “para evitar a vitória das forças mais reacionárias e atrasadas do Brasil e a derrocada da Democracia”. A Executiva Nacional do partido se reuniu em Brasília e fez o anúncio por meio de uma nota.

"A Executiva Nacional do PDT reunida nesta quarta-feira na sede nacional do partido, em Brasília, declara seu apoio crítico à candidatura de Fernando Haddad para evitar a vitória das forças mais reacionárias e atrasadas do Brasil e a derrocada da Democracia", anunciou o partido.

Ciro Gomes ficou em terceiro lugar no primeiro turno das eleições, que ocorreu no último domingo (7), e recebeu 13,3 milhões de votos, 12,47% dos votos válidos. 

Com a disputa polarizada entre os candidatos Jair Bolsonaro (PSL) e o candidato do PT, Ciro foi visto como uma alternativa do centro para chegar ao segundo turno. Um manifesto virtual chegou a fazer um apelo por uma única chapa do centro, chamada “Alcirina”, liderada por Ciro e com apoio de Geraldo Alckmin (PSDB) e Marina Silva (Rede).

Com informações do Congresso em Foco

quarta-feira, 10 de outubro de 2018

PCdoB, PMN, PSTU e outras siglas podem desaparecer do mapa partidário

O deputado federal eleito, Eduardo Braide, que preside o PMN no Maranhão deve avaliar fusão com outra legenda
O PCdoB do governador reeleito Flávio Dino, o PMN do segundo deputado federal mais votado no Maranhão, Eduardo Braide (189.843 votos), e o PSTU do histórico ultra-esquerdista Ramon Zapata correm sérios riscos de desaparecerem do mapa partidário no país.

Segundo levantamentos feitos pelos jornais Folha de S.Paulo e O Globo, um em cada três partidos políticos tiveram nestas eleições aproveitamento insuficiente na Câmara Federal e correm o risco de perder recursos e estrutura fundamentais para suas existências.

Pela lei aprovada pelo Congresso com o intuito de reduzir a pulverização partidária no país, as legendas que não ultrapassarem a cláusula perdem direito ao fundo partidário, principal fonte de financiamento das legendas, à propaganda na TV e rádio, além do funcionamento legislativo, como gabinete partidário, estrutura de assessores e discursos nas sessões.

A norma restringe esses benefícios aos partidos que obtiverem pelo menos 1,5% dos votos válidos nacionais ou a eleição de no mínimo nove deputados federais em pelo menos 9 das 27 unidades da federação. Não alcançaram esses números as seguintes siglas: PCdoB, Patriota, PHS, PRP, PMN, PTC, Rede, PPL, DC, PRTB, PMB, PCB, PSTU e PCO.

Ainda há possibilidade de mudança nos cálculos, pois alguns partidos esperam pela confirmação de votos de candidatos barrados pela Justiça eleitoral. O cenário, porém, não deve se alterar.

O PCdoB obteve 1,35% dos votos válidos nacionais e elegeu nove deputados federais, mas em apenas sete estados (a lei exige em nove). A Rede elegeu apenas a líder indígena e advogada Joênia Wapichana (RR) e somou apenas 0,83% da votação válida para a Câmara. O PRTB elegeu três deputados federais e teve apenas 0,7% dos votos válidos em todo o país.

terça-feira, 9 de outubro de 2018

O brutal desmonte da família Sarney nas eleições 2018 no Maranhão


As eleições gerais de 2018 no Maranhão ficarão marcadas, historicamente, como a queda do império da família Sarney do trono político no estado. A derrocada do grupo teve a digital expressa do governador Flávio Dino (PCdoB), que não só se reelegeu para mais quatro anos com um quantitativo de 1.867.396 votos (59,29%), mas também elegeu seus dois senadores da República, Weverton Rocha (PDT) com 1.997.443 votos (35,02%) e Eliziane Gama (PPS) com 1.539.916 votos (27,00%).

A derrocada nas urnas começou com a pífia votação que obteve a ex-governadora e candidata Roseana Sarney (MDB). Depois de ter sido quatro vezes mandatária do Maranhão, Roseana viu seu sonho de voltar ao Palácio dos Leões se esvair com um quantitativo de 947.191 votos (30,07%), bastante humilhante para quem já teve mais de 1,5 milhão de votos.


Seguindo ladeira abaixo vieram a reboque negativamente os candidatos do clã ao Senado, Sarney Filho (PV), que obteve 752.893 votos (13,20%), e Edison Lobão  (MDB), que ficou na quarta posição com 553.276 votos (9,70%).

Nacionalmente, os telejornais anunciaram ainda na noite de domingo, 7, a esmagadora mão pesada do comunista Flávio Dino sobre a família Sarney no Maranhão, deixando o longevo grupo político do estado sem nenhuma representação federal, a partir de janeiro de 2019.

E agora José?

sexta-feira, 5 de outubro de 2018

Para analista, adversários exploraram mal ausência de Bolsonaro em debate


O fato de o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) ter se ausentado do debate entre presidenciáveis na TV Globo, preferindo dar entrevista à concorrente TV Record nessa quinta-feira (4), foi uma "oportunidade de ouro" perdida pelos adversários do deputado militarista, líder nas pesquisas de intenção de voto e apontado como nome certo no segundo turno. A conclusão é da jornalista Daniela Sholl, especialista com experiência de 18 anos em consultoria política (veja um resumo dos desempenhos ao final desta matéria).

A opção de Bolsonaro pela Record incluiu a veiculação da entrevista no mesmo horário do debate na Globo – com duração superior a 20 minutos, o que afastaria a hipótese, alegada pelos médicos do próprio candidato do PSL, de que ele não deveria se submeter a qualquer atividade por mais que 15 minutos. Para Daniella, o próprio fato de a Record pertencer ao bispo Edir Macedo – um dos principais líderes evangélicos do país – poderia ter sido explorada com mais eficiência pelos demais presidenciáveis. O religioso anunciou apoio à candidatura de Bolsonaro nesta semana.

"Acho que o Bolsonaro cometeu um erro ao fazer a provocação de dar entrevista na concorrente da Globo, no mesmo horário de debate. Fugiu do debate e foi dar entrevista na emissora do aliado, em um ambiente 'chapa-branca' [favorável]", ponderou Daniella, lembrando que campanhas como a que está em curso em 2018 são vencidas por quem erra menos.

Com informações do Congresso em Foco

quarta-feira, 3 de outubro de 2018

PT atribui crescimento de Bolsonaro a votos da Igreja Universal


O comando da campanha de Fernando Haddad (PT) atribui ao eleitorado evangélico o crescimento da candidatura de Jair Bolsonaro (PSL) detectado pelas pesquisas eleitorais.

De acordo com os petistas, houve, no fim de semana, uma mobilização muito intensa em diversas igrejas, em especial, nos templos da Universal do Reino de Deus.

Nesses locais, pastores apresentaram fotos que teriam sido feitas nos protestos #Elenão, convocados contra o capitão do Exército, e que mostravam mulheres de seios de fora e em poses sensuais. O líder da Universal, bispo Edir Macedo, já declarou apoio ao candidato do PSL.

Na pesquisa do Ibope divulgada em 24 de setembro, Bolsonaro tinha 34% das preferências dos evangélicos e 24% dos católicos; no dia 1º de outubro, os percentuais subiram para 40% e 28%. Haddad oscilou para baixo nos dois segmentos – entre os evangélicos, suas intenções de voto foram de 17% para 15%; entre os católicos, de 25% para 24%. Na pesquisa divulgada no dia 28 não foi informada a religião dos entrevistados.

Com informações da Veja

terça-feira, 2 de outubro de 2018

Panfletos difamatórios: Aqui não tem abafa o caso!

Por Mario Carvalho
Jornalista, radialista e candidato a Deputado Federal 5133/Patriota


Lamentavelmente as velhas práticas políticas dos endeusados coronéis, que arregimentavam verdadeiros currais eleitorais pelo Maranhão, insistem em não entender que não há mais espaço e nem cabe mais as transgressões às normas do processo eleitoral para chegar ao Poder.

Faltando apenas cinco dias para as eleições, eis que a campanha entre postulantes a cargos majoritário ao Senado Federal é manchada pela insensatez e burrice de quem não admite que os tempos são outros e que saudosismo pode ser nocivo também.

No início da tarde de segunda-feira, 1, o clima eleitoral foi duramente afetado pela distribuição de panfletos difamatórios contra os candidatos ao Senado, Weverton Rocha (PDT) e Eliziane Gama (PPS), com a clara intenção de criar uma perturbação na cabeça do eleitor maranhense às vésperas do pleito de 7 de outubro.


A farsa patética foi desfeita por agentes da Polícia Civil quando três mulheres e um homem foram detidos ao entregar material jocoso no Terminal de Integração da Praia Grande, em São Luís, bem em frente à Cidade da Polícia Civil do Maranhão. O caso agora está sob investigações da Polícia Federal, por se tratar de crime eleitoral.

Seria trágico se não fosse cômico que o material difamatório não fosse assumido pelo candidado a Deputado Estadual, Paulo Roberto Pinto, mais conhecido por "Carioca" (PRTB), bastante ligado à família Sarney e tem com um dos seus principais candidato ao Senado, o Deputado Federal Sarney Filho (PV), ex-ministro de Meio Ambiente do governo do presidente Michel Temer (MDB), que apoia a candidata Roseana Sarney (MDB) ao governo do Maranhão, pela quinta vez consecutiva.


Como se não bastasse o amadorismo dos produtores da cena dantesca, até a nota fiscal emitida revela pelo CNPJ que o material impresso havia sido rodado na Gráfica Escolar, pertencente ao Grupo Sarney, e local onde as máquinas rodam diariamente o jornal O Estado do Maranhão, que tem como sócios-proprietários o ex-presidente José Sarney e sua filha, a ex-governadora Roseana Sarney.

Como se pode observar os tempos eleitorais no Maranhão mudaram bastante, mas os velhos políticos não querem entender isso, mas terão de entender nem que seja por osmose.

É hora dessa turma vestir o pijama da aposentadoria política no Maranhão!