banner prefeitura

banner prefeitura

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Vereador do PTC pode disputar presidência da Câmara

Vereador Edmilson Jansen
O líder do PTC na Câmara de São Luís e vereador reeleito, Edmilson Jansen, anunciou que pretende colocar seu nome à disposição para concorrer à presidência da Casa para o biênio 2013-2014.

"Esse é um trabalho que vem inclusive da direção nacional do PTC, que está avaliando liberar meu nome para disputar a presidência do Legislativo na capital. Por conta disso, estamos ainda avaliando essa viabilidade de sairmos candidato", declarou.

Edmilson Jansen disse ainda que apesar das insinuações da direção do PTC, essa é uma questão que depende também da formalização de alianças na Câmara para garantir um grupo forte.

"Além desse grupo na Casa, dependemos também do que tem a dizer o nosso prefeito eleito de São Luís, Edivaldo Holanda Jr, que é membro do partido e quem vai determinar se o PTC tem ou não tem condições de lançar um candidato à presidência da Câmara Municipal", destacou.

Ele acrescentou que vai aguardar as definições para tomar um posicionamento. "Estamos aqui para o que der e vier. Se tivermos o apoio necessário, estaremos disputando essa eleição para o comando da Mesa Diretora", garantiu Edmilson Jansen.

Aprovado empréstimo de R$ 3,8 bilhões ao Estado


Plenário da Assembleia Legislativa do Maranhão
Em sessão extraordinária nesta quarta-feira (31), a Assembleia Legislativa aprovou, após longos debates entre deputados de oposição e governistas, o novo pedido de empréstimo apresentado pelo Governo do Estado, de R$ 3,8 bilhões. Na sessão ordinária, o tema que também dominou foi o pedido de empréstimo enviado pela governadora Roseana Sarney (PMDB).

A oposição queria transferir a votação, defendendo que o pedido fosse mais bem analisado, e os governistas justificaram, para recusar a proposta, que o prazo-limite dado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) terminava justamente nesta quarta. O líder do Bloco Parlamentar de Oposição (BPO), Marcelo Tavares (PSB), e os líderes do Governo, César Pires (DEM), e do Bloco Parlamentar pelo Maranhão, Tatá Milhomem (PSD), encabeçaram suas respectivas bancadas, defendendo seus argumentos, com a ajuda de vários outros parlamentares governistas.

Votaram contra o empréstimo os deputados Marcelo Tavares (PSB), Rubens Pereira Júnior (PCdoB), Bira do Pindaré (PT), Othelino Neto (PPS), Eliziane Gama (PPS), Carlos Amorim (PDT), Cleide Coutinho (PSB) e Gardênia Castelo (PSDB). O primeiro que falou do assunto foi Marcelo Tavares, dizendo que o empréstimo faz estourar o limite de endividamento do Estado estabelecido pela Lei de Responsabilidade Fiscal, fixado em 16% da receita corrente líquida do Estado anualmente, mas com o novo empréstimo o limite subiria para 44%.

Os deputados Rubens Pereira Júnior, Bira do Pindaré, Eliziane Gama, Othelino Neto e Cleide Coutinho fizeram intervenções na mesma linha, sempre questionando a rapidez na aprovação e a destinação dos recursos do novo empréstimo.

Pela bancada do governo, diversos deputados falaram sobre o assunto, sempre defendendo que os recursos são para investir no combate à pobreza e aplicações em projetos urbanos. Stenio Rezende (PMDB), Magno Bacelar (PV), Tatá Milhomem (PSD) e César Pires (DEM) fizeram defesas na mesma linha, e negaram que o percentual de endividamento do Estado vá ser superado.

"Eu entendo que a presidente Dilma estabeleceu como metas principais combater a miséria e a fome no nosso país. E no Estado do Maranhão não poderia ser diferente: a governadora Roseana Sarney também estabeleceu trabalhar com todo o rigor, com afinco, para combater a miséria e a pobreza do nosso Estado”, disse, por exemplo, Rezende.

O líder do Governo foi outro que enfatizou a necessidade do empréstimo e explicou que o limite não está sendo estourado. “Foi encaminhada uma carta-consulta ao Conselho Monetário Nacional, do Banco Central. Depois de feita a triagem, foi encaminhado ao BNDES, que reconheceu a capacidade de endividamento do Estado, e isso ainda tem que passar pelo Senado Federal, dando prova acabada de que não seria possível uma compreensão de que esses organismos nacionais seriam irrelevantes e seriam incapazes para poder julgar o nosso empréstimo”, justificou César Pires.

Da Agência Assembleia

Equipe de transição anunciada

Jornalista Márcio Jerry
O coordenador de campanha do prefeito eleito Edivaldo Holanda Jr (PTC), jornalista Márcio Jerry, já anunciou os nomes dos oito integrantes da Comissão de Transição que irão coletar informações sobre a atual situação da Prefeitura de São Luís, para que o novo gestor assuma o cargo no dia 1º de janeiro de 2013.

Está definida que a coordenação da comissão ficará sob o comando do vice-prefeito eleito, Roberto Rocha (PSB). Integram a comissão: Delson Rodrigues Silva Neto, Pedro Gomes Guedelha, Linaldo Albino Silva, Rodrigo dos Santos Marques, Felipe Camarão, Wellington Rezende Silva e Bernardo Pires Leal.

Segundo Márcio Jerry, o objetivo da comissão é trabalhar para que a nova administração tenha plenos conhecimentos da situação do município.
 
Jerry, que é também presidente do diretório municipal do PCdoB na capital destacou que ainda não há nenhuma definição sobre evntuais nomes do secretariado da nova administração do município. "Isso ficará sob a responsabilidade do prefeito eleito", ressaltou.

Pereirinha tira licença e Astro assume a Câmara

Presidente Isaías Pereirinha tira licença médica
O presidente da Câmara Municipal de São Luís, vereador Isaías Pereirinha (PSL), anunciou na sessão desta quarta-feira que está tirando licença por um período de 30 dias (de 1º a 30 de novembro) para tratamento de saúde.

Em seu lugar, assumirá- a partir da próxima segunda-feira (3)- o vice-presidente da Casa, vereador Astro de Ogum (PMN). A nota de afastamento do comando do Legislativo foi lida, na manhã de hoje, pelo vereador Josué Pinheiro (PSDC), que assumiu interinamente a direção da 1ª secretaria da Mesa Diretora, com a ausência do vereador Vieira Lima (PPS).

Segundo o presidente Pereirinha, a licença para tratamento de saúde já deveria ter ocorrido há mais tempo. Mas ele explicou que a campanha eleitoral acabou deixando o afastamento para um segundo plano.

"Eu era para fazer esse tratamento ainda no mês de agosto, mas adiei por causa da eleição e houve segundo turno e eu tive que me empenhar (na campanha à reeleição do prefeito João Castelo), mas agora tenho necessidade de fazer esse acompanhamento médico que faço anualmente. É claro que a Câmara fica em boas mãos, com o vereador Astro (Ogum). Além disso, também tem o vereador Armando Costa- que é segundo vice-presidente- assim como outros colegas de parlamento que vão tocar os trabalhos legislativos pra frente", disse.

O PDT volta à cena nos braços de Weverton

O PDT nos braços de Weverton Rocha
Até que se prove o contrário, o suplente de deputado federal Weverton Rocha (PDT) foi quem mais saiu vencedor nessa disputa municipal.

Basta observarmos que o PDT, antes das eleições 2012, estava fadado ao ostracismo político e numa articulação estratégica, eis que o ex-secretário estadual de Esporte e Juventude do governo Jackson Lago conseguiu trazer à tona o braço brizolista à cena política na capital maranhense.

Não custa nada lembrar que o suplente Weverton Rocha assumirá, a partir de 1º de janeiro de 2013, uma cadeira na Câmara Federal, justamente na vaga aberta com a saída do deputado federal Edivaldo Holanda Jr (PTC), que terá de assumir o comando da Prefeitura de São Luís, deixando o caminho livre para o pedetista por mais dois anos, na condição de titular do mandato.

Com a volta do PDT ao cenário municipal, também voltam alguns "históricos" do partido que já não vislumbravam o horizonte administrativo. Antes findado ao ostracismo político, agora o PDT de Weverton Rocha e Julião Amin ressurge das cinzas e já começa a fazer barulho para 2014, quando voltará a discutir a tal "Frente de Libertação do Maranhão", lógico contra o grupo Sarney, na corrida sucessória ao Governo do Maranhão.

Enfim, o suplente Weverton Rocha consegiu dar uma guinada de 360º na história política do PDT e colocou o partido mais vivo do que nunca na seara política, o que incomoda e preocupa muita gente.

terça-feira, 30 de outubro de 2012

Secretário de Castelo é denunciado por crime contra o ordenamento urbano e patrimônio cultural

Secretário Domingos Brito
O Ministério Público Federal no Maranhão (MPF) ofereceu denúncia contra o secretário municipal de urbanismo e habitação de São Luís, Domingos José Soares Brito, por alterar o aspecto e a estrutura de imóvel do patrimônio histórico federal, localizado no Centro Histórico de São Luís. O caso foi alvo de ação civil pública proposta pelo MPF/MA em 2010, quando as reformas ainda estavam sendo feitas.

Em agosto de 2009, o MPF/MA  recebeu a informação de que o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) havia embargado as obras de reforma da antiga sede do Banco do Estado do Maranhão (BEM). Na época, o instituto recomendou ao município de São Luís que aguardasse a aprovação do seu projeto de reforma no órgão do patrimônio histórico federal, o que não aconteceu.

Apesar de o projeto de reforma apresentado pelo município ter sido expressamente indeferido pelo Iphan, Domingos Brito determinou que fossem realizados os serviços de reforma no prédio. O Iphan autorizara apenas os serviços emergenciais de retirada de antenas, entulhos e materiais não aproveitáveis (elétrico, hidráulico e sanitário).

No entanto, após inspeção realizada pelo instituto, foi constatada a demolição de alvenarias e a remoção de toda a pavimentação, revestimento, forro e esquadrias da parte interna do imóvel, além de revestimentos da fachada.

Para o MPF/MA, ao alterar o aspecto e estrutura do imóvel, Domingos Brito praticou crime contra o ordenamento urbano e patrimônio cultural, previsto no artigo 63 da lei 9.605/98.

Na denúncia, o MPF/MA propôs a suspensão condicional do processo pelo período de dois anos, desde que o secretário cumpra determinadas condições, tais como: reparar o dano; não ausentar-se da comarca onde reside, sem autorização do juiz; e comparecer mensalmente a juízo, para informar e justificar suas atividades (§ 1º do artigo 89 da lei 9.099/95).

Com informações do Ministério Público Federal

Orçamento do município teve retração de R$ 200 milhões

Vereador José Joaquim
A Mesa Diretora da Câmara de São Luís encaminhou nesta terça-feira, à Comissão de Orçamento e Finanças da Casa, o Projeto de Lei 168/12, do Executivo, que trata do orçamento do município para o exercício financeiro de 2013.

Segundo o vereador José Joaquim (PSDB), caberá agora ao presidente da comissão, Osmar Filho (PMDB), traçar o cronograma de atividades para apreciação da matéria e votação até o dia 15 de dezembro.

A estimativa do orçamento para o próximo ano é da ordem de R$ 2,5 bilhões, sofrendo uma queda de R$ 200 milhões, já que o orçamento deste ano é de R$ 2,7 bilhões.

"De acordo com as normas, o procedimento da Lei Orçamentária Anual (LOA) foi encaminhado à comissão em sessão deliberativa na Casa. Agora, os membros da comissão vão se reunir e abrir prazo para a realização de pelo menos uma audiência pública. Em seguida, abrir prazo para o encaminhamento de emendas dos colegas de parlamento. Em seguida, caberá à comissão de orçamento analisar essas emendas e por último encaminhar o relatório, que deve ser elaborado pelo relator-vereador Severino Sales (PMDB)", frisou.

José Joaquim admite que o projeto pode ser votado até antes do dia 15 de dezembro para não atrapalhar o início dos trabalhos de melhoria e ampliação do plenário da Câmara. "Isso pode acontecer para que no dia 1º de janeiro de 2013, o parlamento municipal possa abrirgar os 31 novos vereadores eleitos para a próxima legislatura (2013-2016)", comentou.

Justiça mantém decisão contra prefeito de Viana

Prefeito de Viana, Rilva Luís
A 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Maranhão manteve a decisão de receber denúncia contra o prefeito de Viana, Rivalmar Luis Gonçalves, que segundo o Ministério Público Estadual (MPE) teria deixado de adotar procedimentos licitatórios no exercício financeiro de 2007 e comprovar aplicação de recursos do Fundo Municipal de Saúde (FMS).

Entre as despesas feitas sem processo licitatório incluem-se a aquisição de combustível (janeiro a outubro de 2007/R$135.704,43), medicamentos (janeiro a dezembro de 2007/R$ 402.785,73), aluguel e frete de veículos (R$108.000,00), material odontológico (janeiro a dezembro de 2007/R$ 101.079,44) e ausência de comprovação de despesas diversas (julho a outubro de 2007/ R$280.666,00).

Na apreciação da denúncia pela Câmara Criminal, o relator do processo, desembargador Raimundo Melo, afirmou que para o recebimento da mesma teria que ser considerada a comprovação da materialidade delitiva e a exposição dos fatos tidos por criminosos.

“A inicial acusatória só pode ser rejeitada quando o fato narrado não constituir crime, já estiver extinta a punibilidade ou for manifesta a ilegitimidade da parte ou faltar condição exigida pela lei para o exercício da ação penal”, disse o desembargador na ocasião, quando foi decidido também que Gonçalvesdeveria ser afastado imediatamente do cargo.

A defesa do prefeito interpôs recurso, objetivando modificar a decisão, alegando que ela se encontrava em dissonância com entendimentos de outros tribunais, pedindo, ao final, o arquivamento da denúncia.

Melo entendeu que não havia fundamentos para modificar a decisão e rejeitou o recurso da defesa, sendo acompanhado pelos desembargadores Bayma Araújo e Fróz Sobrinho, seguindo o parecer da Procuradoria Geral de Justiça.

Com informações do Tribunal de Justiça

Começa disputa pela presidência da Câmara Municipal

Vereadores já se articulam para conseguir alianças 
Está dada a largada oficial para a corrida sucessória à presidência da Câmara Municipal de São Luís, para o biênio 2013-2014. O clima de expectativa só aumentou nos bastidores com o resultado das eleições no segundo turno, com a vitória do prefeito eleito Edivaldo Holanda Jr (PTC).

A eleição para a composição da nova Mesa Diretora do Legislativo Municipal irá ocorrer no dia 1º de janeiro de 2013, logo após a solenidade de posse dos vereadores eleitos e reeleitos.

Aparecem como virtuais candidatos o próprio presidente da Câmara, Isaías Pereirinha (PSL) e os demais vereadores: Rose Sales (PCdoB), Edmilson Jansen (PTC), Ivaldo Rodrigues (PDT), Fábio Câmara (PMDB), Francisco Carvalho (PSL) e Astro de Ogum (PMN).

Porém, cada um dos eventuais concorrentes sabe que para disputar a presidência da Casa as articulações falam mais altos. É preciso aglutinar forças em torno de aliados nada convencionais. A votação, em plenário, acontece em sessão aberta e nominal. Portanto, cada palavra dada tem que ser honrada até a última hora antes da votação.

O prefeito eleito Edivaldo Holanda Jr já mandou um recado ao dizer que não pretende interferir na escolha do novo presidente da Mesa Diretora, porém todos sabem que em política tudo muda numa velocidade estonteante e portanto, não custa lembrar que cada um dos postulantes terá que costurar alianças importantes.

Vale ressaltar que a partir da próxima legislatura, o plenário da Câmara de São Luís contará com mais dez novos vereadores, passando dos atuais 21 para 31 vereadores, onde aumenta o poder de articulação na Casa.

Que vença o melhor!

Crescimento nas abstenções chamou atenção do TSE


As abstenções registradas no segundo turno das eleições em São Luís chegaram a 22,04% (149.439 votos) de todos os votos computados pela Justiça Eleitoral.

De acordo com os números apresentados pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), há quatro anos, o percentual de abstenção ficou em 21%. Os números mostram um crescimento de apenas 1,04 ponto percentual em relação ao segundo turno da eleição municipal de 2008.

Na eleição de 2012, conforme o TSE, também foram registrados 15.864 (3,00%) votos nulos e 11.873 (2,25%) votos brancos. Já em 2008, os votos nulos no segundo turno somaram 9.811 (1%) e os em branco, 6.232 (1%).

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

"Educação e saúde serão nossos maiores desafios", diz Holanda Jr.

Prefeito eleito Edivaldo Holanda Jr
Lenno Edroaldo
Do G1 MA

Menos de 24 horas após ser eleito como novo prefeito de São Luís, o advogado Edivaldo Holanda Jr. (PTC), 34 anos, concedeu sua primeira entrevista coletiva. Em pouco mais de 30 minutos, assim como fez em boa parte da campanha eleitoral, ele falou de forma geral, sem ser específico, sobre como pretende administrar a capital maranhense a partir de 1º de janeiro de 2013, com ênfase para temas como metropolização, reforma administrativa, saúde e educação.

Holanda esteve acompanhado de seu também vice eleito, Roberto Rocha (PSB), e das principais lideranças que lhe apoiaram durante sua campanha. Uma das primeiras perguntas questionou exatamente como será a composição de sua equipe de governo, já que recebeu muitos apoios de lideranças municipais, principalmente durante o segundo turno. Atento, o novo gestor preferiu dar uma reposta que não causasse desconforto ou especulações. “Em no máximo dois meses vocês terão a lista com esses nomes”, afirmou.

O plano administrativo da prefeitura tomou boa parte do espaço na coletiva, principalmente sobre a forma como o novo prefeito pretende manter relações com o governo do estado e com as outras prefeituras da Ilha. “Quero dizer que a campanha acabou e os palanques precisam ser desarmados. Nosso relacionamento com o governo será institucional porque quem ganha é a população. A partir de nosso primeiro dia de governo precisamos trabalhar desta forma, assim como acontece em outras cidades e capitais neste país, prefeitura e estado trabalhando de forma institucional”, disse.

As parcerias institucionais, segundo Holanda Jr., serão estendidas às prefeituras de Paço do Lumiar, Raposa e São José de Ribamar, colocando em prática o projeto de metropolização: “Sou amigo pessoal do Gil Cutrim [prefeito eleito de Ribamar] e compartilhamos de pensamentos necessários para a gestão em comum dos quatro municípios. Iremos sim tratar este assunto com ele e com os outros prefeitos a cerca dos serviços em comum que podemos desenvolver”.

Ainda sobre questões administrativas, o futuro prefeito disse que irá implantar o sistema de subprefeituras para melhor gerir o município que este ano ultrapassou a casa de um milhão de habitantes, de acordo com estimativa do IBGE.

“Descentralizar é importante. Essa experiência já foi desenvolvida com sucesso em vários municípios e São Luís precisa dessa forma de trabalho”, explicou Holanda, que acrescentou ser o fator competência preponderante para a escolha dos nomes dos subprefeitos. “Critérios técnicos e políticos são importantes, mas a palavra-chave será competência. Disso a população pode ficar tranquila”, disse Holanda, que registrou o contato telefônico do atual prefeito, João Castelo (PSDB), que lhe parabenizou pela vitória no último domingo.

Maiores desafios

Após falar bastante sobre questões administrativas, Holanda disse serem a educação e a saúde seus principais desafios. “Sem dúvida. Queremos que a partir do primeiro dia letivo do próximo ano todas as crianças da rede municipal estejam nas salas de aula. Sei do tamanho deste desafio, assim como o de reestruturar toda a estrutura atual de saúde. Em um primeiro momento estas serão nossas prioridades.”

Outro problema apontado por Edivaldo Jr. como prioritário foi mobilidade urbana. Neste quesito ele disse que a equipe de transição vai analisar os projetos atualmente colocados em prática, principalmente o Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) e dar continuação aos que têm viabilidade.

“Colocar a cidade em movimento é outro grande desafio e para isso vamos buscar parcerias principalmente com o governo federal. Temos nossas propostas e estudaremos o VLT. Se ele foi implantado de forma correta, com estudos necessários, como o de impacto ambiental, nós daremos continuidade. Hoje, no Nordeste, apenas São Luís e Aracaju não têm este serviço, mas precisamos ver sua viabilidade. Precisamos estabelecer metas de qualidade e para isso a licitação para novas linhas de ônibus será uma de nossas primeiras medidas”, disse.

Área social

Outra meta de sua gestão, segundo Holanda, será fortalecer a Secretaria Municipal da Criança e Assistência Social (Semcas), que trata de assuntos relacionados a políticas públicas para crianças, jovens e adolescentes. “Esse é o papel do poder público e São Luís ainda é bastante carente neste aspecto”, argumentou.

O prefeito eleito viaja de madrugada para Brasília, onde reassumirá suas funções na Câmara dos Deputados e deve fazer uma visita à presidenta Dilma Rousseff.

Edivaldo diz que não interferirá na presidência da Câmara

Edivaldo Holanda Jr
O prefeito eleito de São Luís, Edivaldo Holanda Jr (PTC), disse hoje à tarde, em coletiva de imprensa, que não vai interferir no processo de escolha do novo presidente da Mesa Diretora da Câmara de Vereadores.

"Conheço o funcionamento da Câmara e tenho o maior respeito pela Casa. Portanto, não pretendo interferir nesse processo, mas só espero que os vereadores saibam escolher o melhor para o parlamento municipal", declarou.

Durante o evento que aconteceu no auditório do hotel Holliday Inn, no bairro do São Francisco, o prefeito eleito destacou que manterá com o Legislativo uma relação amistosa. "A nossa palavra de ordem será de respeito e diálogo. Não teremos nenhuma dificuldade em manter essa relação amigável com a Câmara, pois são Poderes harmônicos e independentes entre si", afirmou Edivaldo Holanda Jr.

Ele adiantou que a Câmara de São Luís contará com um universo de 31 novos vereadores e que tem autonomia suficiente para escolher quem será o presidente da Casa. "São vereadores eleitos pela vontade poipular e portanto, não iremos interferir nesse processo", enfatizou.

"Castelo foi punido pela arrogância", diz vereador do PDT

Vereador Ivaldo Rodrigues
O vereador Ivaldo Rodrigues (PDT) disse hoje que a derrota do prefeito de São Luís, João Castelo (PSDB), já era prevista pelos inúmeros erros cometidos pelo gestor.

As declarações foram feitas ao blog, no plenário da Câmara Municipal. "Essa derrota do prefeito Castelo e a vitória do prefeito eleito Edivaldo Holanda Jr (PTC) já estava prevista. Aconteceram uma série de equívocos, sendo que o prefeito Castelo perdeu um conjunto de aliados. Castelo perdeu a eleição ao ser punido por sua própria arrogância e prepotência", disse.

Ivaldo Rodrigues destacou que foi uma das vítimas da gestão do prefeito tucano. "Construíram uma outra candidatura (do vereador eleito Marquinhos) na minha área (Sol e Mar/Vila Luizão). Investiram em meus adversários na minha região, tentando me enfraquecer e até agora eu não consigo saber o por quê. Não tive nenhum apoio do governo municipal, ao contrário, o governo Castelo, do qual eu servir como vice-líder na Câmara, não me ajudou em nada", criticou.

Ele disse que não era funcionário do prefeito Castelo. "Não era empregado de Castelo, pois um líder de governo não é funcionário da Prefeitura. Ele apenas faz parte de um processo, ou seja, de uma base aliada, e portanto, eu era membro da base aliada. Afastei-me da base aliada antes das eleições, mas ainda assim continuei votando no prefeito Castelo pela minha coerência política", afirmou Ivaldo.

Segundo ele, quando percebeu que houve o enfraquecimento de sua campanha por determinação do próprio prefeito Castelo e de sua filha, a deputada estadual Gardeninha Castelo (PSDB), decidiu que era hora de pular do barco e apoiar o então candidato Edivaldo Holanda Jr.

"Não tinha mais motivo para ficar num governo em que eu não era mais bem vindo. Eu tinha de tomar uma posição e fui me recompor com meu partido, me refazer internamente com minha base partidária e portanto, meu grupo político decidiu que iria mais ficar com o prefeito Castelo", justificou.

A eleição de 2012 e o reflexo para 2014

Flávio Dino e Edivaldo Holanda Jr comemoram a vitória
Não resta mais dúvida que o resultado da eleição municipal de São Luís tem reflexo direto no pleito de 2014, quando deve ser escolhido o novo governador do Maranhão. O próprio prefeito eleito, Edivaldo Holanda Jr (PTC), deu o tom do recado no discurso da vitória nas urnas, na noite de ontem.

"No dia 28 de outubro, a população de São Luís escreve uma nova história. O Maranhão começa a mudar a partir de São Luís. A mudança que ocorrerá em 2014, começa hoje em São Luís. Essa mudança que segue com Flávio Dino", destacou o gestor eleitor.

Para o vice-prefeito eleito, Roberto Rocha (PSB), o desempenho das oposições nessas eleições mostra que, se organizado, o grupo pode almejar o protagonismo no pleito de 2014. "E essa demonstração de maturidade, de desprendimento e de grandeza política que nós demos nessa eleição. Nós, os partidos coligados e todos aqueles que se somaram nessa luta para mudar São Luís, teremos uma relação às eleições de 2014", declarou.

Virtual candidato ao Governo do Maranhão e atual presidente da Embratur, Flávio Dino (PCdoB), exaltou o que chamou de o vento da mudança. "Sintam o vento da mudança. Sintam essa brisa que vem do mar e que aquece o nosso povo. E, afirmo que vocês, em 2014, nós vamos mudar o Maranhão para sempre, sem nenhum passo para trás", frisou.

domingo, 28 de outubro de 2012

Castelo já vai tarde

Prefeito João Castelo 
O sonho de reeleição do prefeito João Castelo (PSDB) sucumbiu com a decisão do eleitorado de São Luís que massacrou o tucano nas urnas e lhe impôs uma derrota massacrante. Ele entra na história política da capital maranhense como o primeiro gestor municipal a não conseguir a reeleição.

Desde 1997, quando o Congresso Nacional aprovou a Emenda Constitucional 16, que permitiu a reeleição do presidente da República, governadores e prefeitos, Jackson Lago foi reconduzido ao cargo nas eleições de 2000 e Tadeu Palácio, em 2004.

A primeira eleição municipal em que foi permitida a reeleição para prefeitos ocorreu no ano de 2000. Na ocasião, 62% disputaram a reeleição. Já em 2004, 63% concorreram a um novo mandato e em 2008 o percentual de postulantes à reeleição foi 78,6%. Este ano 74,8% dos prefeitos buscaram um segundo mandato.

Com a derrota nas urnas, o prefeito Castelo decidiu que irá encerrar a carreira política. Aos 75 anos de idade, Castelo anunciou, ao final da apuração, o encerramento de sua carreira política após o final de seu mandato, em 31 de dezembro. “Pretendo encerrar minha carreira política no dia 31 de dezembro. Mas até lá continuarei como prefeito de São Luís”, disse João Castelo, que discursou em um ginásio de um colégio na capital maranhense.

Castelo foi presidente do Banco do Amazônia (Basa), deputado federal por dois mandatos, governador do Maranhão, senador da República e novamente deputado federal por dois mandatos. Também presidiu a Empresa Maranhense de Administração Portuária, a EMAP, que gerencia o Porto do Itaqui.

Com informações do G1 MA

Edivaldo é o prefeito mais novo de São Luís

Do G1 MA


O candidato do PTC, Edivaldo Holanda Júnior, 34 anos, foi eleito prefeito de São Luís neste domingo (28). Ele venceu o atual gestor, João Castelo (PSDB) no segundo turno da eleição municipal, e deve assumir o cargo pela primeira vez no ano de 2013. Holanda ratificou o resultado do 1º turno, quando também venceu com 36,44% dos votos válidos.

Com 100% das urnas apuradas, Holanda recebeu 56,06% dos votos. Castelo, por sua vez, recebeu 43,94% dos votos válidos. Antes da contagem dos votos, o prefeito eleito falou com a imprensa. "Foram quatro meses de campanha e eu quero agradecer a população de São Luís a forma carinhosa como recebeu as nossas propostas", destacou.Sobre Holanda Jr.

Edivaldo Jr. nasceu em São Luís, no dia 1º de julho de 1978. O prefeito eleito de São Luís se graduou em Direito, exercendo posteriormente dois mandatos consecutivos na Câmara Municipal. Em 2010 elegeu-se deputado federal, ao obter 104.015 votos.

Este será o primeiro cargo de Holanda Jr. no Poder Executivo. Ele começou a carreira política sendo eleito vereador em 2004, aos 26 anos, com 3.376 votos. Na eleição municipal seguinte obteve a reeleição e dois anos mais tarde, uma vaga na Câmara dos Deputados, sendo o deputado federal mais bem votado em São Luís, com mais de 70 mil votos.

Campanha- Edivaldo Holanda adotou como slogan de campanha no termo “mudança”, principalmente devido às críticas feitas à atual gestão municipal. Durante todo o primeiro turno ele esteve em segundo lugar segundo apontou a maioria dos institutos de pesquisas. No entanto, o resultado final apontou um resultado diferente. O petecista obteve 36,44% dos votos válidos, contra 30,60% de João Castelo, então líder na maioria das pesquisas.

Essa vitória no primeiro turno foi ratificada nas pesquisas seguintes. Todos os resultados divulgados pelos institutos apontaram o petecista como primeiro colocado. Durante quase toda campanha neste turno, Edivaldo Holanda sofreu críticas de seu oponente.

Uma delas, por ter recebido apoios como o do deputado federal Weverton Rocha (PDT). Os questionamentos feitos por João Castelo levaram Holanda à Justiça e por isso ele ganhou vários direitos de resposta nos programas eleitorais no rádio e TV do tucano.

Na última semana de campanha, as discussões foram pautadas após a divulgação em redes sociais de vídeo onde bombeiros e policiais militares manifestavam apoio ao candidato do PTC. João Castelo utilizou o tema em seus programas eleitorais e nos debates em que participou.

Propostas- A principal proposta defendida por Holanda Jr. durante os quatro meses de campanha foi modernizar a gestão municipal, pautando seus discursos na transparência de seus atos. Para a área social o novo prefeito disse ser prioridade implantar o ensino em tempo integral na rede de ensino municipal e construir 20 novas creches na cidade. Ele também prometeu Proteção a famílias, idosos e deficientes e “aumento das políticas sociais e, sobretudo, respeito por cada cidadão”.

Da mesma forma ele prometeu uma gestão melhor no transporte público e trânsito, com a implantação de BRTs e do sistema de bilhete único. Em termos de infraestrutura, Holanda apresentou propostas de modernização da iluminação pública e um plano de manejo e coleta de resíduos.

"O primeiro passo é dar transparência às ações na limpeza e pôr em prática a Lei de Resíduos Sólidos, com coleta seletiva." Sobre gestão e orçamento o novo prefeito disse possuir um plano financeiro estratégico da cidade, com Diretrizes para ocupação e uso do solo.

Na área de saúde suas propostas pretendem melhorar a qualidade no atendimento. “Só mais servidores e melhoria das unidades de saúde podemos dar um salto na saúde. Dobrar o PSF, novas CAPs, SAMU e UPAs são possíveis”.

Outras diretrizes de suas campanhas pretendem “exercer nossa liderança e fazer com que a Caema cumpra metas de qualidade e exigir a universalização do abastecimento. É mudança de postura."
Já na área de segurança, o prefeito pretende dar apoio à polícia. “Com aumento do efetivo, vamos melhorar todas as ações atribuídas aos guardas e voltar as rondas escolares”.

Veja o resultado completo da eleição em São Luís:

VOTOS VÁLIDOS (excluindo brancos e nulos)
Edivaldo Holanda Jr (PTC): 280.809 (56,06%)
João Castelo (PSDB): 220.085 (43,94%)

OUTROS RESULTADOS
Brancos: 11.873 (2,25%)
Nulos: 15.864 (3,00%)
Abstenção: 149.439 (22,04%)

Edivaldo já é o novo prefeito de São Luís

O candidato Edivaldo Holanda Jr (PTC) já o novo prefeito de São Luís. Ele obteve 56,10% dos votos válidos contra 43,90% dados ao atual prefeito João Castelo (PSDB), que tentava a reeleição. Brancos 2,24% (11.645), Nulos 3,00% (15.586), Votos válidos 94,75% (492.168).

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

TSE decide enviar tropas federais para São Luís

Em decisão individual, o ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Arnaldo Versiani, acolheu pedido de reconsideração formulado pelo Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão (TRE-MA) e autorizou o envio de força federal para garantir a segurança e a normalidade no segundo turno da eleição para prefeito da cidade de São Luís-MA.

Em ofício enviado ao TSE, a presidência do Tribunal Regional informou que houve um acirramento dos ânimos das candidaturas concorrentes “diante da divulgação de um vídeo que, supostamente, suscita o envolvimento de policiais militares com milícias e comitê militar em prol de um dos candidatos”. Informou, ainda, que mesmo reconhecendo a capacidade das forças locais para garantir a normalidade da eleição, o governador do Estado concordou com envio das forças federais.

O TRE maranhense também ressaltou que a criação de 38 novos polos de transmissão, inclusive em zona rural, exige a presença física de polícia para garantir a segurança das transmissões dos resultados das votações, bem como a integridade física de servidores que atuarão no dia da votação.

Segundo o ministro Arnaldo Versiani, o quadro relatado pelo Regional evidencia as razões quanto à necessidade da força federal como mecanismo de reforço à preservação da ordem e da segurança no segundo turno.

“Atendidas as exigências estabelecidas na Res.-TSE nº 21.843, acolho o pedido de reconsideração e defiro, ad referendum do Tribunal, a requisição de força federal para o Município de São Luís/MA para atuar no 2º turno das eleições”, decidiu o ministro.

Processo relacionado: PA 124790

Roberto Costa declara apoio Edivaldo Holanda Jr

Deputado estadual Roberto Costa

Depois ter recebido propostas para aderir a campanha do candidato e prefeito de São Luís, João Castelo (PSDB), o deputado estadual Roberto Costa (PMDB) fez a opção pela coerência e confirmou ao Blog (do Jorge Aragão) apoio ao candidato Edvaldo Holanda Júnior (PTC).

Roberto Costa foi um dos principais críticos da gestão de João Castelo na Assembleia Legislativa, foi inclusive o autor do requerimento que criou uma CPI contra o aumento abusivo do IPTU e foi dele a ação no Ministério Público que colaborou com a queda do aumento estratosférico do imposto, que chegava em alguns casos a até 5.000%.

Além de ter declarado apoio a candidatura de Edivaldo Holanda Júnior, Roberto Costa está pessoalmente comandando uma reunião com algumas de suas lideranças em bairros do centro de São Luís para informar a decisão de apoiar o “36”.

O Blog recebeu a informação que muitos moradores que são correligionários políticos de Roberto Costa estão retirando o adesivo de João Castelo das suas casas e colando o de Edivaldo Holanda Júnior.

Com a decisão, Roberto Costa desmistifica o factoide criado por alguns que o Governo do Maranhão estaria apoiando a candidatura de João Castelo. Como se percebe nitidamente existe movimentações isoladas de parte do Governo, mas jamais determinação da governadora Roseana Sarney (PMDB) de apoio a qualquer um dos candidatos.

Do blog de Jorge Aragão

Nem a vice-prefeita vota em Castelo. Por que será?

Helena Duailibe
A vice-prefeita e atual vereadora eleita de São Luís, Helena Duailibe (PMDB), que obteve mais de 7 mil votos, mais uma vez apareceu no programa eleitoral do candidato da coligação "Muda São Luís", Edivaldo Holanda Jr (PTC), reafirmando o seu apoio político ao petecista.

Depois de passar quatro anos amargando o isolamento político, imposto desde o início da gestão do prefeito João Castelo (PSDB), em 2009, a vice-prefeita Helena Duailibe resolveu mostrar a cara e confirmar o que todo mundo já sabia.

Em declaração no programa do Edivaldo 36, a vereadora eleita do PMDB diz: "Voto em Edivaldo por ser um candidato honrado".

Será que a frase não é uma direta ao prefeito Castelo, que no entendimento popular pode ser avaliado sob a ótica de que a honra do gestor tucano está ameaçada e não engana mais ninguém.

Dessa maneira, a vice-prefeita e vereadora eleita Helena Duailibe mostra que tem identidade e luz própria e que chega à Câmara Municipal de São Luís para fazer a diferença.

Dona Bia e Tiago Aroso querem ludibriar o eleitorado de São Luís a mando do prefeito Castelo

Bia Venâncio e Tiago Aroso armação ilimitada
O desespero do candidato da coligação "Pra Fazer Muito Mais", prefeito João Castelo (PSDB), é tão grande que estão buscando até apoio à prefeita afastada Bia Venâncio (PSD) e seu filho, o vereador Tiago Aroso (PSD), para atacar moralmente o candidato da coligação "Muda São Luís", deputado federal Edivaldo Holanda Jr (PTC).

Recebi denúncia de que ontem o filho da prefeita afastada tentou adesivar seu carro com a foto da campanha de Edivaldo Holanda Jr para dizer que estava apoiando o candidato do PTC. Quando resolveram filmar a ação, ele desistiu e ainda disse que o esquema não deu certo a um companheiro que estava a seu lado no veículo.

Todo mundo sabe que Dona Bia e seu rebento, Tiago Aroso, são cercas velhas, ou seja, se encostarem em alguém derrubam. Os dois estão sob monitoramento eletrônico da Polícia Federal, por serem acusados de formação de quadrilha no município de Paço do Lumiar.

Nem a família Sarney quer mais ligação com esses dois facínoras, travestidos de boa gente.

Charge eletrônica


Castelo é denunciado pelo Ministério Público por esquema de mais de R$ 100 milhões em obras de pavimentação


O Ministério Público do Maranhão ajuizou, no dia 6 de setembro do corrente ano, ação civil pública por ato de improbidade administrativa contra o prefeito de São Luís, João Castelo (PSDB); o ex-secretário municipal de Obras e Serviços Públicos, Cláudio Castelo de Carvalho; e os sócios da Pavetec Construções Ltda, Gustavo José Mello Fonseca e Daniel França dos Santos.

A empresa teria sido beneficiada pela Prefeitura de São Luís com dois contratos que ultrapassam R$ 115 milhões.No primeiro contrato, firmado em julho de 2009, a Secretaria Municipal de Obras e Serviços Públicos (Semosp) pagou R$ 29,9 milhões sem processo licitatório.

Para justificar a dispensa de licitação, o prefeito João Castelo decretou estado de emergência tomando por base uma Recomendação da 3ª Promotoria de Justiça do Meio Ambiente que tratava da adoção de medidas de urgência para evitar desmoronamentos em áreas de risco.

A medida do MPMA recomendava a estabilização das áreas ameaçadas e a remoção das famílias onde não fosse possível a realização das obras. Na ação, a 1ª e a 2ª Promotoria de Defesa do Patrimônio Público e da Probidade Administrativa questionam o aproveitamento fraudulento de uma Recomendação ministerial para tentar justificar a dispensa de licitação. O processo durou 93 dias.

No segundo contrato, firmado em março de 2010, a Pavetec recebeu R$ 85,6 milhões. Nesse caso, o Ministério Público questiona dois itens no edital de licitação que favoreceram a contratação da empresa. O primeiro é a exigência de capital social de 10% do valor máximo da execução dos serviços.

A prova de patrimônio líquido do licitante pode ser exigida pela Administração Pública, conforme a Lei nº 8.666/93. Porém, a Pavetec alterou o capital social 66 dias antes do lançamento do edital. Na avaliação do MPMA, houve um acerto prévio para que a empresa fosse a vencedora.

Antes de firmar o primeiro contrato com a Prefeitura de São Luís, a Pavetec alterou, em 16 de julho de 2009, o capital social de R$ 200 mil para R$ 1,2 milhão. A alteração foi feita 16 dias antes da assinatura do contrato. Nas duas vezes em que a empresa foi contratada pela Semosp, houve alteração do patrimônio líquido.

As Promotorias de Defesa do Patrimônio Público e da Probidade Administrativa questionam, ainda, o item da licitação que exigiu a execução mínima de 90 mil m² de reperfilamento asfáltico misturado à frio em vias urbanas. Apenas a Pavetec conseguiu preencher esse requisito, confirmado por atestado técnico emitido pelo então dirigente da Semosp Cláudio Castelo de Carvalho, em 8 de fevereiro de 2010.

Para o Ministério Público, as exigências contidas no edital de licitação provocaram o afastamento de concorrentes, facilitando a segunda contratação da Pavetec com o valor de R$ 85,6 milhões.

O Ministério Público pediu à Justiça a condenação dos acusados por improbidade administrativa. Além disso, o MPMA pede a quebra do sigilo fiscal e bancário da Pavetec e dos sócios da empresa para verificar a existência de recursos que comprovem o aumento do patrimônio de 4.200%.

Para assegurar a futura restituição, aos cofres públicos, dos valores pagos ilegalmente, o Ministério Público solicitou do Poder Judiciário que determine a indisponibilidade dos bens dos acusados e a suspensão do pagamento efetuado pelo Município de São Luís à Pavetec.

(As informações são do Ministério Público)

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

Perícia comprova montagem do vídeo sobre milícia exibido pela campanha de Castelo

O perito criminal especial, com formação na Academia de Polícia do Maranhão e Academia Nacional de Polícia-Brasília, com cursos em vários estados e nos EUA, José de Ribamar Cruz Ribeiro, em parecer documentóscopico concluiu que o vídeo exibido pela campanha de João Castelo, sobre suposta milícia foi “editado com a finalidade de denegrir a imagem do candidato a prefeito Edivaldo Holanda Júnior e de alguns policiais”.

Segundo a conclusão do parecer técnico o vídeo postado anonimamente em rede social possui imagens de péssimo conteúdo e visibilidade confusa, “pois nem sempre é possível associar o áudio as imagens, ficando dificultosa a assimilação a quem o assistiu”.

Diz ainda José de Ribamar Cruz Ribeiro que não se pode de fato afirmar que “as imagens que nele aparecem correspondem aos sons emitidos, além dos ruídos e a fuga do foco dos eventuais participantes do vídeo “.

Portanto, conclui o perito, “o vídeo foi editado e montado ou seja ajustado conforme o autor anônimo queria que ficasse a ordem das imagens e do áudio”.

A perícia deixa claro a montagem já denunciada por Edivaldo Holanda Júnior, e revela a disposição da campanha de Castelo de utilizar todas as armas possíveis para tentar inverter o desejo da população em conflagrar a mudança na prefeitura de São Luís no dia 28 de outubro.

Com informações da assessoria do candidato

Vice-prefeita adere à campanha de Edivaldo Holanda Jr

Vice-prefeita e vereadora eleita Helena Duailibe
Na reta final da campanha do segundo turno, a vice-prefeita e recém-eleita vereadora de São Luís, Helena Duailibe (PMDB), anuncia que vai declarar apoio ao candidato Edivaldo Holanda Jr (PTC), da coligação "Muda São Luís".

Na manhã de hoje (25), ela grava programa na produtora do candidato demarcando seu posicionamento no segundo turno.

Helena revela que a sua atitude é baseada por conhecer Edivaldo e acreditar que ele seja o melhor caminho para a cidade de São Luís.“Conheço Edivaldo e tenho certeza que ele tem a capacidade de colocar São Luís em um novo caminho, e assim como eu, ele é homem cristão e com certeza vai saber fazer um governo justo e competente”, declarou.

Excluída do governo de João Castelo (PSDB), desde o primeiro ano do mandato tucano, quando foi exonerada do cargo de secretária municipal de saúde, tomando ciência do fato através da imprensa, Helena se manteve calada por todo esse tempo.

A médica que foi a quarta mais votada entre os 31 vereadores eleitos da capital com 7841 votos, decidiu tomar posicionamento após ficarem insinuando que sua neutralidade era para beneficiar o atual prefeito.

O partido de Helena, o PMDB já tinha declarado a neutralidade, mas o presidente da legenda, Roberto Costa, disse que cada membro estava livre para se posicionar, tanto que o vereador também eleito, Fábio Câmara (PMDB), se posicionou a favor do prefeito tucano.

Helena Duailibe já foi secretária da saúde do Maranhão e de São Luís. A vice-prefeita é tida como um dos melhores nomes da política atual, não possuindo nenhum envolvimento em escândalos políticos.

Certamente, o apoio de peso de Helena Duailibe a Edivaldo Júnior se configura como uma força significativa a ser considerada na balança política do segundo turno, em sua reta final.

Fonte: Blog do Hugo Freitas

Gardeninha Castelo e um empréstimo de R$ 400 mil com o agiota Glaucio Alencar

Deu no blog do Itevaldo (4 de julho 2012)

A empresária Patricia Gracielli Martins (esposa do Fábio Brasil) em depoimento, aos delegados da Polícia Civil que investigam o assassinato do jornalista Décio Sá, no dia 20 de junho revelou uma suposta negociação entre a deputada estadual Gardeninha Castelo (PSDB) – filha do prefeito de São Luís, João Castelo – e o empresário o Gláucio Alencar.

À polícia Patrícia Gracielli contou que Gláucio Alencar teria emprestado a deputada Gardeninha Castelo o valor de R$ 400 mil. Essa revelação está na página seis do depoimento dela à polícia. Ao depor Júnior Bolinha disse que possuía algumas máquinas pesadas alugadas para a prefeitura de São Luís.

Segundo a esposa de Fábio Brasil, a deputada Gardeninha Castelo e Gláucio Alencar tinham negócios.  “Gláucio e a deputada Gardênia Castelo tinham negociações mais eu não sei de que tipo”, disse Patrícia à polícia.

Como confiar na pesquisa Escutec?

Edivaldo Holanda Jr mantém liderança sobre Castelo
Os novos números da pesquisa Escutec na corrida sucessória municipal que mostram que o candidato da coligação "Pra fazer Muito Mais", prefeito João Castelo (PSDB), teria encostado no candidato da coligação "Muda São Luís", Edivaldo Holanda Jr (PTC), merecem um certo descrédito.

Pelos percentuais divulgados no jornal O Estado do Maranhão, na edição desta quinta-feira, o candidato Castelo aparece com 41,6% contra 46,3% do candidato Edivaldo Holanda Jr, nas intenções de votos em São Luís.

Vale fazer uma ressalva que no primeiro turno das eleições, quando ainda estavam no páreo oito candidatos à Prefeitura da capital, o instituto Escutec errou feio ao afirmar em todos os levantamentos que o candidato João Castelo venceria a eleição no primeiro turno e que o candidato do PT, vice-governador Washigton Luiz Oliveira, estaria em terceiro lugar.

Pelo que se viu após o resultado da eleição no primeiro turno, quem venceu foi o candidato Edivaldo Holanda Jr com uma vantagem de mais de 30 mil votos válidos, seguido de Castelo e em terceiro ficou a candidata do PPS, deputada estadual Eliziane Gama.

Portanto, é temerário acreditar na pesquisa Escutec.

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Deputada Gardeninha Castelo põe a cabeça fora do ninho tucano e aproveita para espalhar o terror em São Luís

Deputada Gardeninha Castelo
Depois de passar um longo e tenebroso inverno longe dos holofotes políticos, eis que agora surge a deputada estadual Gardênia Ribeiro Gonçalves, a Gardeninha Castelo (PSDB), para botar mais lenha na fogueira do jogo sujo patrocinado pela campanha do seu pai, o prefeito de São Luís, João Castelo (PSDB), que busca a reeleição, mas vê esse sonho sair dos trilhos.

Para tentar disseminar o pânico e tentar criar dividendos eleitoreiros, a deputada Gardeninha usou ontem a tribuna da Assembleia Legislativa do Maranhão para falar sobre o vídeo que supõe a criação de uma "milícia" com o intuito claro e sórdido de desestabilizar a campanha do adversário de seu pai, o candidato da coligação "Muda São Luís", deputado federal Edivaldo Holanda Jr (PTC).

A Justiça já suspendeu a exibição do vídeo no horário eleitoral gratuito, mas o assunto ainda é tema de conversas em rodas de amigos, no tocante à sucessão municipal. Apesar disso, a história do vídeo foi desmistificada no programa eleitoral do candidato do PTC, desde ontem à noite, quando foi exibida a íntegra da parte em que o candidato Edivaldo fala sobre a real missão, que era fiscalizar e conquistar votos dos eleitores.

Porém, a deputada Gardeninha não mediu esforços e tratou de espalhar o medo. "Confesso que eu fiquei assustada com o que aconteceu aí no último domingo. Bastante assustada. No domingo me ligaram para que eu acessasse a internet para ver um vídeo que estava no Youtube, em vários blogs. Disseram na reunião, na qual estava presente o deputado Edivaldo Holanda Jr, candidato a prefeito, que formariam um serviço de inteligência do 36. Isso é de assustar", relatou a parlamentar.

O deputado Rubens Junior (PCdoB) criticou a postura da deputada e disse que o vídeo foi editado para favorecer a candidatura do prefeito Castelo, que perdeu a eleição no primeiro turno por uma diferença de 30 mil votos e não se conforma em correr o risco de perder neste segundo turno por uma diferença ainda maior.

Caminhada da Paz contra o jogo sujo no segundo turno

Caminhada no centro de São Luís (Foto: Maurício Alexandre)

A Rua Grande se vestiu de branco para participar da Caminhada pela Paz com Edivaldo Holanda Júnior (PTC), na manhã de ontem. Milhares de pessoas saíram de branco para pedir paz e dizer não ao jogo baixo no segundo turno da eleição.

Faltando apenas cinco dias para o pleito, Edivaldo, Roberto Rocha (PSB) e Flávio Dino (PCdoB), ao lado de lideranças políticas como Bira do Pindaré (PT), Rose Sales (PCdoB) e Roberto Rocha Júnior (PSB) conduziram a grande caminhada, em que mais uma vez Edivaldo defende uma campanha limpa, baseada em propostas para São Luís.

A Caminhada pela Paz foi uma iniciativa de apoiadores de Edivaldo em resposta à campanha agressiva que o adversário tem realizado ao longo do segundo turno. Entre os principais motivos que levaram á realização da caminhada foram os protestos contra a compra de voto e a manipulação de imagens para tentar denegrir opositores.

Com a possível presença das forças federais no segundo turno (requerimento feito por Edivaldo ao Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão) e a suspensão do vídeo manipulado, que sugere a formação de uma “milícia 36” (apresentado por João castelo em seu programa eleitoral), o candidato da mudança segue com uma campanha limpa e sem acusações.

Em discurso feito durante o percurso, Edivaldo repudiou a violência e mentiras para tentar inverter o processo democrático da eleição. “É recompensador ver que a população de São Luís não acredita em tentativas de manipulação. Ver todo mundo vestido de branco e reunido para marchar pela paz é a prova de que o eleitor não acredita em campanhas baixas e que tentam desvirtuar a vontade do povo,” afirmou Edivaldo.

Desde o primeiro turno, Edivaldo tem sido vítima de panfletos apócrifos, ataques na TV e no rádio a sua família e a ele próprio. “Apesar das tentativas dos adversários de vencer a eleição na força bruta, vamos ter resultado positivo no próximo domingo porque São Luís quer mudança.”

O presidente da Embratur, Flávio Dino, também destacou a importância de campanhas pautadas no respeito às leis eleitorais e o respeito à civilidade no pleito. “A cidade está cansada da postura autoritária e manipuladora dos coronéis. Em São Luís, a esperança também vai vencer o medo,” disse.

Da assessoria do candidato

terça-feira, 23 de outubro de 2012

Weverton Rocha diz que vai contrapor Castelo

Weverton Rocha garante direito de resposta
Depois de ter sido alvo de exposição na campanha do candidato à reeleição, prefeito João Castelo (PSDB), o deputado federal Weverton Rocha (PDT) diz que vai à forra ao garantir na Justiça o direito de resposta.

O deputado Weverton Rocha disse ter se sentido vítima de calúnia, difamação e mentira e ganhou na Justiça, o direito de responder nas inserções do candidato do PSDB as acusações que pesam contra ele.

Para Weverton, esse será o momento de explicar o que já foi dito e repitido muitas vezes na campanha tucana, por ser aliado do candidato da coligação "Muda São Luís", deputado federal Edivaldo Holanda Jr (PTC).

É aguardar para ver!!!

Edivaldo vence Castelo e se mostra arrasador no debate

Edivaldo Holanda Jr chega à Mirante
Independente de cores político-partidárias, não há como negar que o candidato da coligação "Muda São Luís", Edivaldo Holanda Jr (PTC), venceu o debate inédito promovido pela rádio Mirante AM, na manhã desta terça-feira.

O prefeito João Castelo (PSDB), candidato à reeleição pela coligação "Pra Fazer Muito Mais", passou o debate inteiro  tentando desconstruir a imagem do adversário, agarrando-se na falácia sobre o vídeo-milícia, que não vingou no contexto da opinião publica.

Edivaldo Holanda Jr desde o início mostrou que as práticas políticas de Castelo ainda beiram os porões da Ditadura Militar (1964 a 1980), período obscuro nacional contra os ativistas políticos que não concordavam com o regime implantado a força no país.

Castelo tentou encurralar Edivaldo Holanda Jr, que mostrou ser diferente em propostas de governo e ações políticas. Enquanto o candidato tucano nega transparência pública, Edivaldo prega a mais limpa transparência no trato com a coisa pública.

Prefeito João Castelo desolado no debate
Desde o início do debate, o prefeito Castelo começou a gaguejar quando o polêmico descaso com o setor da Educação municipal foi trazido à tona por seu adversário.

Por ter deixado milhares de alunos do ensino fundamental sem escolas, o gestor tucano nada conseguiu falar, subvertendo o debate a se fazer de vítima. Edivaldo mostrou a realidade, que está evidente na mente de milhares de pais de alunos que ainda sentem a perda de um semestre letivo dos seus filhos.

A única coisa que fez Castelo no debate foi se agarrar com unhas e dentes no vídeo-milicia, criado e editado por sua coordenação de campanha, que acabou não tendo o efeito arrasador como era esperado. Isso porque Edivaldo revelou a verdade dos fatos e desconstruiu a falácia política gerada para tentar reverter o quadro desfavorável ao candidato tucano na campanha.

Portanto, não há como não dizer que Edivaldo Holanda Jr foi bem superior a seu adversário. Edivaldo acabou mostrando que a mudança na estrutura administrativa do município está cada vez mais próxima, bastando apenas cinco dias para a eleição do segundo turno, que acontecerá no próximo domingo (28).

Valeu o empenho da direção da rádio Mirante AM na promoção do debate e viva a democracia brasileira. 

Debate inédito na rádio Mirante AM


Edivaldo Jr, Castelo e o mediador Roberto Fernandes
 Do Imirante

Inovar foi a palavra-chave no debate de uma hora e dez minutos realizado na manhã desta terça-feira (23), na rádio Mirante AM, entre os candidatos a prefeito João Castelo (PSDB), da Coligação "Pra Fazer Muito Mais", e Edivaldo Holanda Júnior (PTC), da Coligação "Muda São Luís".

Tendo como mediador o jornalista Roberto Fernandes, no programa Ponto Final, os dois candidatos, que disputam a cadeira de prefeito, na eleição deste domingo (28), em São Luís, ficaram frente a frente. Eles perguntaram um ao outro, com direito a réplica e tréplica. Também foram questionados por leitores do jornal O Estado do Maranhão e do portalImirante, com perguntas nas áreas da educação, saúde, funcionalismo público, meio ambiente, saneamento básico, entre outros temas.

Pioneirismo

Em entrevista à Mirante AM, o diretor de Mídias Eletrônicas do Sistema, o jornalista Rômulo Barbosa, elogiou o formato do debate. Disse que a emissora é pioneira em realizar o encontro entre os dois candidatos a prefeito da capital maranhense.

- Criamos esse formato democrático em que os leitores do Jornal O Estado do Maranhão e os internautas do Imirante possam participar do processo sabatinando os dois candidatos e que eles apresentem propostas concretas para São Luís. Será um momento histórico, um confronto de ideias e de interesse coletivo - assegurou.

Rômulo Barbosa aproveitou para criticar as carreatas, bandeiraços e usos de fogos de artifícios durante campanha definindo como modelo ultrapassado pelos transtornos que causam à população.

Chegada

João Castelo foi o primeiro candidato a chegar na Mirante, às 8h53. Em rápida entrevista, o tucano disse que o debate é importante para se debater temas em evidências e importantes para a cidade. Indagado se o debate mudaria o resultado divulgado pelas pesquisas em que apontam o adversário como vencedor, Castelo usou o bom senso e afirmou que a decisão ficará por conta do eleitor que fará a análise após o debate.

Edivaldo Holanda Júnior (PTC) chegou por volta das 9h, acompanhado do vice, Roberto Rocha (PSB). Ele disse que será a oportunidade do eleitor ouvir os dois candidatos. Na opinião do petecista, o debate será tranquilo, pois os candidatos vão discutir propostas para São Luís.

Debate

João Castelo abriu o debate elogiando o título de campeão do Sampaio Corrêa pela Série D. Questionado sobre a vontade de ser prefeito de São Luís, Castelo falou da sua experiência como gestor, das obras feitas como gestor no Maranhão, especialmente, na capital. Disse que São Luís é sua eterna namorada e a única maneira de contribuir com a cidade e fechar com chave de ouro a carreira política é com a reeleição a prefeito.

Edivaldo Holanda Júnior priorizou a educação e a saúde como metas para administrar São Luís. O candidato petecista disse que, se eleito, pretende a partir de 1º de fevereiro criar uma Prefeitura moderna, segundo ele, sinônimo de transparência, eficiência e combate à corrupção. Comentou, ainda, que pretende ser prefeito para investir nas pessoas que mais precisam investindo em educação e saúde.

Farpas

Os dois candidatos apresentaram propostas durante a sabatina, mas aproveitaram, também, para troca de acusações. Em um dos blocos do programa, João Castelo perguntou a Edivaldo Holanda

Júnior como conceber uma Prefeitura moderna cercado de aliados definidos pelo tucano como corruptos. Edivaldo respondeu criticando o modelo administrativo de Castelo e assegurou que o seu governo será descentralizado.

- Pensamos fazer uma gestão integrada. É fazer com que as secretarias se comuniquem entre si. Infelizmente, as secretarias funcionam como se fossem ilhas. Elas não se comunicam. Queremos de estabelecer um padrão único de qualidade. Queremos descentralizar a administração criando subprefeituras. Iremos colocar o Poder Público mais próximo do cidadão - explicou.

Edivaldo Holanda Júnior questionou com o tucano sobre a situação em que se encontra a educação municipal. "Este foi o ano que mais de 100 mil crianças ficaram fora da sala de aula. Recursos foram devolvidos da educação foram devolvidos para o Ministério da Educação por falta de projetos. Os professores ficaram mais de 70 dias em greve. Qual a nota que você dá para a educação pública da cidade e para sua administração em relação a área?", perguntou.

Castelo disse que o Ministério da Educação é quem dá nota e afirmou que a ensino fundamental no município foi avaliado pelo MEC como um dos melhores da região Nordeste. Ele se defendeu, ainda, alegando as reformas nas escolas e garantiu que os problemas na área da educação em São Luís foram equacionados com o retorno dos professores e a reposição das aulas nas escolas públicas municipais.

Castelo aproveitou o momento para cobrar do adversário sobre o vídeo exibido na internet em que aparece reunido com militares. O petecista respondeu alegando que o tucano tem faltado com a verdade. Edivaldo disse que teve a família agredida e que o vídeo seria mais uma armação.

- Tudo não passa de montagem e que a Justiça Eleitoral cassou a veiculação do vídeo - frisou.

Durante a troca de acusações, Edivaldo Holanda Júnior foi categórico em afirmar que o seu objetivo é debater propostas para São Luís e transformá-la numa cidade melhor para se viver.

Saneamento

João Castelo diz que pretende realizar um grande projeto de saneamento básico em São Luís para acabar com esgoto a céu aberto. Citou, também, com uma de suas metas a geração de emprego e renda tendo como referência o investimento no turismo na cidade.

Edivaldo Holanda Júnior criticou o sistema de esgoto sanitário em São Luís provocando poluição nos rios que desembocam no mar. Ele garantiu dialogar com a Caema e não romper o contrato, mas sim estabelecer metas de qualidade dentro do Plano de Saneamento Básico do seu programa de governo.

Considerações finais

Ao fechar a sua fala no debate, João Castelo disse que continua com a mesma garra quando foi governador do Maranhão. Disse se considerar jovem para administrar São Luís por mais quatro anos e encerrar a sua vida pública, considerada por ele, vitoriosa.

Edivaldo Holanda Júnior encerrou a sua participação no debate agradecendo a Deus por mais de três meses de campanha. Disse que, se eleito, vai inaugurar um novo momento em São Luís.

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Resultado da Pesquisa Data M

Na pesquisa Data M, o candidato da coligação "Para Fazer Muito Mais", prefeito João Castelo (PSDB) aparece com 38,5% contra 55,3% do candidato da coligação "Muda São Luís", Edivaldo Holanda Jr (PTC).

A pesquisa DataM foi feita com 800 pessoas, entre os dias 18 e 19 de outubro, e está registrada na Justiça Eleitoral sob o protocolo MA- 539/2012. A margem de erro é de  quatro pontos percentuais, para mais ou para menos, e o intervalo de confiança é de 95%.

Justiça libera pesquisa Data M e surpreende Castelo

O juiz eleitoral José Jorge Figueiredo dos Anjos foi quem determinou a cassação da liminar do também juiz eleitoral Sérgio Muniz, que acbou inviabilizando a divulgação do resultado da pesquisa de intenções de votos do instituto Data M.

Em sua decisão, o juiz Sérgio Muniz alegou questões metodológicas para determinar a suspensão da divulgação da pesquisa, como a ausência dos votos em branco e nulos.

Depois de intenso bate-boca gerado, na noite de sábado passado, entre o magistrado Sérgio Muniz e o presidente da Embratur, Flávio Dino, o juiz eleitoral José Jorge Figueiredo dos Anjos justifica sua decisão argumentando que a suspensão não poderia ter sido tomada em plantão judiciário, no caso sábado, impedindo o jornal O Imparcial, contratante da Data M, de publicar o resultado no domingo.

A coligação "Muda São Luís" do candidato Edivaldo Holanda Jr (PTC) alega que a pesquisa foi barrada na Justiça por conta dos números serem desfavoráveis ao candidato da coligação "Pra Fazer Muito Mais, João C astelo (PSDB).

Coligação de Edivaldo esclarece sobre vídeo milicia



NOTA DA COLIGAÇÃO MUDA SÃO LUÍS – EDIVALDO PREFEITO

Temos feito uma campanha limpa, em respeito às famílias de São Luís. Infelizmente, desde o começo do 2º turno o candidato Edivaldo Holanda Junior tem sido alvo de ataques mentirosos e ilegais na TV e no rádio, além de panfletos com ofensas que circulam nos bairros.

São 11 dias seguidos de agressões contra Edivaldo e seus familiares. Agora, em mais uma tentativa desesperada de João Castelo para evitar a sua derrota, montaram um vídeo, juntando imagens de vários momentos, para criar a mentira de que existiria uma “milícia 36”.

Desafiamos o Sr. João Castelo a apresentar um único ato de violência que foi praticado por essa suposta milícia. Na verdade, Edivaldo Holanda Junior participou de uma reunião com bombeiros, militares e suas famílias, que têm todo o direito de se manifestar fora do seu horário de trabalho. São cidadãos e cidadãs que merecem respeito.

O vídeo apresentado por João Castelo é totalmente montado e ilegal, conforme o artigo 45, inciso II e parágrafo 5º, da Lei n° 9.504/97.

Estamos pedindo à Justiça o direito de resposta, perícia no vídeo e investigação sobre quem foi o autor da montagem. Também estamos requerendo a presença de forças federais no 2º turno de São Luís, a fim de eliminar esse clima de medo que Castelo tenta criar.

As forças federais também servirão para impedir a compra de votos que está sendo preparada, inclusive com o uso de repartições públicas. Esse vídeo é somente mais uma manipulação de informação, como tantas feitas nessa campanha, para tentar ganhar a eleição a qualquer custo.

Edivaldo é um homem cristão, pai de família, sempre foi comprometido com a paz e a democracia. São Luís quer a mudança, e nenhuma manipulação vai impedir que isso aconteça.

São Luís, 22 de outubro de 2012

Debate na Mirante AM e TV Mirante marcam a última semana do segundo turno em São Luís

Castelo e Edivaldo Jr participarão dos debates
Na última semana que marca a corrida da disputa eleitoral em São Luis, os candidatos à Prefeitura, Edivaldo Holanda Jr (PTC) e João Castelo (PSDB), já têm compromissos confirmados para a terça (23) e sexta-feira (26).

Amanhã, às 9h, os candidatos participam do debate inédito promovido pela Rádio Mirante AM. Durante 70 minutos, o petecista e o tucano discutirão frente a frente as propostas para a cidade.

O programa terá como mediador o jornalista Roberto Fernandes e o formato parecido ao do utilizado na TV Mirante; sendo dividido em quatro blocos. No primeiro e terceiro blocos, os candidatos farão perguntas entre si com direito a réplica e tréplica.

Já nos outros dois, os candidatos vão debater temas levantados por ouvintes e internautas que encaminharão perguntas a serem sorteadas pelo mediador. Os internautas devem mandar as perguntas para o e-mail debatemiranteam@mirante.com.br.

Nos anos anteriores, os candidatos participavam de uma espécie de sabatina, em que eram questionados por vários jornalistas, nos dias específicos para cada um.

Na TV Mirante- Na sexta-feira (26), último dia de campanha, os candidatos Edivaldo Holanda Jr. e João Castelo também já confirmaram presença para o debate promovido pela TV Mirante. A partir das 23h, o debate entra no ar pela TV Mirante e será transmitido simultaneamente pelo G1 e Rádio Mirante AM. O programa será dividido em três blocos e terá duração de 45 minutos, com mediação do jornalista Tonico Ferreira.

As regras serão as mesmas das adotadas no 1º turno, com blocos de perguntas por temas sorteados e de perguntas por temas livres.

Com informações do G1 MA

FHC e cúpula do PSDB não prestigia Castelo

Castelo isolado no PSDB
O jornal O Estado de São Paulo revela que a cúpula paulista do PSDB parece mesmo não gostar do prefeito de São Luís, João Castelo, candidato à reeleição pela coligação "Pra Fazer Muito Mais".

Isso porque segundo a coluna de O Estadão o ex-presidente da República, Fernando Henrique Cardoso (FHC), embarca hoje para a Europa deixando gravadas mensagens apenas para os candidatos tucanos em Manus, Belém, Teresina, Pelotas e Blumenau.

A coluna mostra que não é feita nenhuma ressalva do ex-presidente da FHC endereçada ao candidato João Castelo. De acordo com uma fonte tucana, Castelo não faz questão de ter o apoio, preferindo ficar grudado na presidente Dilma Rousseff (PT).

A expectativa dos tucanos na capital maranhense é para a chegada do ex-governador e atual senador mineiro Aécio Neves (PSDB), que virá a São Luís nesta próxima quarta-feira, para fazer um ato público na capital maranhense ao lado do gestor tucano.

A vinda de Aécio Neves é bastante esperada para minimizar os impactos da falta de apoio do PSDB à campanha de Castelo.

domingo, 21 de outubro de 2012

Castelo deve R$ 6 milhões à Santa Casa

Prefeito João Castelo não paga Santa Casa
O prefeito de São Luís, João Castelo (PSDB), candidato à reeleição pela coligação "Pra Fazer Muito Mais" está devendo nada mais, nada menos que R$ 6 milhões ao hospital Santa Casa de Misericórdia, que corre o risco de fechar. ´

Esse montante faz parte de repasses do Sistema Único de Saúde (SUS), do Governo Federal, que não é encaminhado à direção da Santa Casa. Vale ressaltar que o dinheiro do SUS é repassado à Prefeitura de São Luís todo dia 1º de cada mês.

Funcionários da Santa Casa estão indignados com a postura do prefeito Castelo. Só para ter uma ideia, o dinheiro referente ao mês de setembro, que já foi repassado há tempos pelo Governo Federal, ainda não foi pago pela Prefeitura.

Existe ainda um contrato do setor de ortopedia, que ficou de ser assinado entre o prefeito e a Santa Casa que ainda não aconteceu por descaso do gestor tucano.

PMDB de Roseana apoia o prefeito Castelo

Prefeito João Castelo pede apoio à governadora Roseana Sarney
O PMDB da governadora Roseana Sarney praticamente já definiu de que lado está no jogo sucessório à Prefeitura de São Luís. Não há como deixar de negar que o partido está do lado da reeleição do gestor tucano, numa clara demonstração de que em política tudo é bem dinâmico.

João Castelo (PSDB) sabe que para vencer a eleição municipal tem que passar pelo apoio político do grupo Sarney e logo tratou de fazer isso, unindo-se mais uma vez ao PMDB da governadora Roseana, cujo lideranças já demostraram enorme afinidade com o tucano, visando futuros projetos políticos em questão, como é o caso a eleição para o Governo do Maranhão em 2014.

O próprio vereador eleito com mais de 6 mil votos, Fábio Câmara (PMDB), não pestanejou quando declarou apoio incondicional à reeleição do prefeito Castelo. Isso mostra que o PMDB não é bobo e almeja chegar à presidência da Câmara Municipal, numa articulação política que pode vingar, caso o gestor tucano consiga de reeleger.

Disse aqui após o fim da eleição que quem desejasse vencer o segundo turno na capital maranhense teria que contar com o apoio do grupo Sarney. Não deu outra, o candidato João Castelo esqueceu as querelas políticas de lado e logo caiu nos braços da governadora Roseana, mas prefere não falar desse apoio.

Não sei por quê?

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Justiça determina interdição de presídio em Timon

Juíza inspeciona presídio
A juíza titular da 3ª Vara Criminal de Timon, Lewman de Moura Silva, expediu liminar determinando a interdição parcial e imediata do Centro de Ressocialização “Jorge Vieira”, unidade prisional do referido município localizado a 425 quilômetros de São Luís.

O documento assinado pela juíza determina que o Centro de Ressocialização não receba presos provisórios nem sentenciados de outras cidades e estabelece um prazo de 30 dias, prazo esse no qual a Secretaria de Justiça e de Administração Penitenciária do Maranhão deve providenciar a retirada de todos os presos provisórios da unidade em questão para colocá-los em cadeias públicas próximas às suas famílias.

O pedido de interdição da unidade prisional foi proposto, por meio de Ação Civil Pública, pela Defensoria Pública do Estado do Maranhão representada pela defensora pública, Creuza Maria Lopes. Ela alegou a superlotação carcerária tendo em vista que o presídio, cuja capacidade é de 168 presos sentenciados, encontra-se com uma população carcerária de 310 detentos, dentre provisórios e sentenciados.

Essa situação já havia sido observada pela juíza Lewman de Moura, após diversas visitas ao Centro de Ressocialização. Na tarde desta quinta-feira, 18, em visita feita ao centro, Lewman de Moura, acompanhada da defensora pública, e do Padre da paróquia São Francisco de Timon, João Medeiros, constatou ‘in loco’ a superlotação carcerária.

A magistrada verificou as condições desumanas e insalubres dos presos, o calor excessivo das celas, o desconforto gerado pela entrada de sol na parte da tarde, principalmente na ala feminina, e a presença de insetos, ratos e baratas nas celas.

Segundo Lewman de Moura, “os presos provisórios são colocados indevidamente junto com os sentenciados e, dessa forma, não é possível a aplicação da Lei de Execução Penal”. E continua: “com a superlotação, aumenta o risco de rebeliões e motins com prejuízos não só para os presos como também para as pessoas que ali trabalham”. Segundo ela, recentemente ocorreu uma tentativa de homicídio dentro das celas logo depois da remoção de 12 presos da cidade de Codó para aquela unidade prisional.

“Com a constatação da superlotação, está demonstrada a flagrante violação aos direitos fundamentais dos detentos e que, dessa forma, nenhuma política de ressocialização poderá ser implementada com resultados satisfatórios”, finalizou a juíza.

Com informações do TJ

Como acreditar nos números do Ibope

Difícil mesmo é acreditar nos números do Ibope quando se trata de campanha eleitoral. No primeiro turno das eleições municipais as pesquisas Ibope não acertaram uma sequer, visto que sempre colocaram o prefeito João Castelo (PSDB), candidato à reeleição em São Luís, com larga vantagem contra o candidato Edivaldo Holanda Jr (PTC) e os demais concorrentes.

Quando as urnas foram abertas o que se viu foi outra coisa, tendo o candidato do PTC ficado com uma vantagem de 6% à frente do candidato do PSDB. Agora, novamente, o Instituto Ibope lança um novo resultado no ar, que gera polêmica, reduzindo em 10 pontos percentuais a vantagem entre os dois candidatos do segundo turno.

Há quem diga que a pesquisa Ibope serve apenas para injetar gás na campanha tucana na capital maranhense; enquanto outros dizem que o pífio levantamento serve para mascarar o crescimento do candidato do PTC.

A hora verdade só será revelada no próximo dia 28, quando as urnas serão abertas. Essa sim é a verdadeira pesquisa. E ponto final!!!

Castelo espera que o povo seja benevolente

Prefeito João Castelo busca reverter o resultado desfavorável
Numa tentativa desesperada de atrair os votos perdidos no primeiro turno das eleições municipais, o prefeito João Castelo (PSDB), candidato à reeleição pela coligação "Pra Fazer Muito Mais", tenta chamar a responsabilidade da vitória nesse segundo turno para o povo.

"Eu não tenho dúvidas de que o povo vai saber comparar os projetos, as propostas, a experiência, o passado de cada um. O povo é quem vai comparar e é o povo quem vai decidir. Eleição é isso. Eu não tenho dúvidas que nós temos tudo para ganhar a eleição, mas só quem pode dar a palavra final é o povo. Eu não gosto de contar vitória em eleição. Nunca fiz isso em eleição nenhuma. Quem pode contar vitória é o povo, depois de apurar os votos", declarou.

O candidato Castelo realizou, na tarde de ontem, sua primeira aparição pública em caminhada pela cidade após o resultado desfavorável do primeiro turno. Aproveitou o momento para caminhar da praça D.Pedro II até a Praça Deodoro, passando pela Rua Grande, centro comercial de São Luís.